Alemanha estuda envio de armas para curdos no Iraque

A Alemanha está estudando um possível envio de armamentos para tropas curdas que combatem insurgentes islâmicos no Iraque, afirmou nesta terça-feira o ministro das Relações Estrangeiras alemão. Em entrevista para a emissora ZDF, o ministro Frank-Walter Steinmeier disse que seria "irresponsável" apoiar a luta das forças iraquianas contra os militantes do Estado Islâmico sem fornecer ajuda material.

Estadão Conteúdo

19 de agosto de 2014 | 16h58

"Dar uma batidinha nas costas não é suficiente", disse Steinmeier. "Nós precisamos dar aos curdos a oportunidade de se defender." O ministro caracterizou o Estado Islâmico como um grupo particularmente brutal e desumano.

Os comentários foram feitos um dia antes de uma reunião do gabinete da chanceler Angela Merkel. Steinmeier e outros membros do governo alemão têm pressionado por uma mudança na postura tradicionalmente pacifista da Alemanha devido à brutalidade dos ataques do Estado Islâmico no norte do Iraque.

"Os envios de armas não são um fim em si, mas nós devemos ouvir atentamente às necessidades das forças de segurança do Curdistão para se defenderem contra o Estado Islâmico no longo prazo, ao menos para barrar seu avanço", disse o ministro.

Ele descartou o envio de tropas alemãs para a região e deixou claro que o envio de armamentos seria parte de um esforço maior para aliviar a crise no Iraque. "A entrega de armas não é a prioridade, a prioridade é a ajuda humanitária", afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueviolênciaAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.