Alemanha estuda libertação de terrorista após 21 anos

Um tribunal alemão informa ter ordenado a avaliação psicológica de uma ex-integrante do grupo terrorista Facção do Exército Vermelho, primeiro passo para determinar se ela poderá ser libertada, depois de 21 anos de prisão. Eva Haule, de 53 anos, foi condenada pelo assassinato de um soldado dos Estados Unidos, em 1985. Ela poderá se tornar a segunda integrante do grupo de extrema esquerda, que aterrorizou a antiga Alemanha Ocidental, a ganhar a liberdade neste ano.Na semana passada, um tribunal determinou que Brigitte Mohnhaupt, 57 anos, uma importante líder da facção nos anos 70, poderá ser solta em março.Haule foi condenada, em 1988, por posse ilegal de armas e por ser membro de um grupo terrorista. Em 1994, a justiça a declarou culpada da morte de Edward Pimental, um soldado americano de 20 anos. Ela cumpre sentença em um presídio de Berlim, e poderá ser solta em 1º de agosto, se os psicólogos determinarem que não representa mais um perigo para a sociedade. O caso de Mohnhaupt, bem como um pedido de clemência feito por outro líder da facção, Christian Klar, desencadeou um intenso debate na sociedade alemã sobre se já seria hora de mostrar misericórdia para os prisioneiros, e reacendeu memórias de um período tenso na história do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.