Alemanha fecha organização acusada de apoiar Hamas

Autoridades alemãs determinaram hoje o fechamento da organização Al-Aqsa, da cidade de Aachen, no noroeste da Alemanha. O ministro do Interior, Otto Schily, afirmou que o grupo coletava dinheiro para o movimento islâmico radical Hamas. Segundo Schily, em uma ação paralela, investigadores bloquearam 300 mil euros - aproximadamente US$ 296 mil - em contas da Al-Aqsa. Vários documentos também foram apreendidos em escritórios e residências de membros da organização. Na sede da Al-Aqsa, localizada em um tranqüilo bairro de Aachen, investigadores continuavam a procurar por evidências, enquanto Schily fazia seu pronunciamento. Entre suas atividades, a Al-Aqsa pedia doações para apoiar as "famílias dos mártires" - o que as autoridades alemãs interpretam como apoio às "famílias de atacantes suicidas". De acordo com o ministro, fundos coletados pela organização eram transferidos para "grupos humanitários nos territórios palestinos, parcialmente autônomos, que têm ligações com a estrutura organizacional do Hamas ou de seus associados". Mahmoud Amr, presidente da Al-Aqsa, fundada em 1991, negou que sua organização estivesse arrecadando fundos para o Hamas. "As acusações são falsas", disse ele. "Não apoiamos o Hamas e nenhuma outra organização. Ajudamos pessoas necessitadas.? Segundo Schily, foi aberta uma investigação para apurar o caso. Nenhuma pessoa foi detida.

Agencia Estado,

05 Agosto 2002 | 17h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.