REUTERS/Fabrizio Bensch
REUTERS/Fabrizio Bensch

Alemanha lança programa de ajuda para repatriar migrantes

Ministro do Desenvolvimento, Gerd Müller, detalhou que plano terá à disposição € 50 milhões anuais de 2017 a 2020 para ajudar pessoas originárias do Iraque, Afeganistão e dos Bálcãs que que quiserem - por diferentes razões - voltar para casa

O Estado de S. Paulo

09 Dezembro 2016 | 11h05

BERLIM - o governo alemão lançará um programa de € 150 milhões de ajuda para o retorno dos demandantes de asilo que não permanecerão na Alemanha e desejam retornar para seus países de origem, informou o ministro do Desenvolvimento, Gerd Müller, em entrevista publicada nesta sexta-feira, 9.

"Para os próximos três anos, colocamos à disposição € 50 milhões anuais para esse programa de retorno", disse o ministro Müller ao jornal regional Augsburger Allgemeine.

As medidas de ajuda vão atingir pessoas originárias do Iraque, do Afeganistão e dos Bálcãs, que quiserem - por diferentes razões - voltar para casa. Também valerão para aqueles que tenham tido seu pedido de asilo rejeitado.

De acordo com o ministro, a Alemanha vai ajudar essas pessoas a "ter um novo começo" em seus países de origem. "Podemos lhes oferecer educação, uma formação, empregos, ajuda", detalhou.

Depois de receber 900 mil demandantes de asilo em 2015, a Alemanha decidiu endurecer em matéria de imigração. Sob pressão dentro do próprio partido, a chanceler Angela Merkel garantiu que esse fluxo de migrantes em massa registrado no ano passado - muitos sírios, iraquianos e afegãos - não se repetirá.

Alguns políticos também denunciam, nos últimos meses, o baixo número de expulsões efetivas de pessoas que tiveram seu pedido de asilo rejeitado. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Alemanha Angela Merkel Europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.