Alemanha permite trânsito de tropas e sobrevôo em caso de guerra contra o Iraque

A Alemanha concederá às Forças Armadas dos Estados Unidos direito irrestrito de sobrevôo e uso de suas bases em solo alemão no caso de uma guerra contra o Iraque, informou nesta quarta-feira o chanceler Gerhard Schroeder.O chanceler, no entanto, continua firme em sua rejeição ao envio de soldados alemães para a frente de batalha. O anúncio faz parte de esforços para amenizar as divergências com o presidente dos EUA, George W. Bush, com relação ao Iraque.Schroeder disse que a Alemanha garantiria "direito de sobrevôo aos Estados Unidos e a outros países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), assim como o transporte de tropas e o uso de instalações militares na Alemanha pelos Estados Unidos e os membros".A decisão, anunciada numa entrevista coletiva, é uma resposta a um pedido dos EUA à Alemanha sobre que espécie de apoio daria à campanha militar contra o Iraque. O governo Bush enviou uma pergunta similar a mais 50 países, aproximadamente.Schroeder disse que a solicitação a seu governo também perguntava em termos gerais sobre a possibilidade de se fornecer capacidade de defesa antimísseis e defesas contra armas químicas, biológicas e nucleares.O pedido de Washington a Berlim causou constrangimento a Schroeder num momento em que ele tentava reparar as relações germano-americanas, abaladas por sua dura oposição a um eventual ataque ao Iraque durante sua campanha pela reeleição em setembro.Recentemente, Schroeder amenizou sua oposição. Na semana passada, ele reuniu-se com Bush na reunião de cúpula da Otan em Praga e deixou claro que não deixaria de permitir o uso de bases militares na Alemanha.No entanto, Schroeder disse hoje que seu governo não autorizará o uso além do engajamento no combate ao terrorismo de uma unidade do Exército alemão estacionada no Kuwait e especializada na detecção de armas nucleares, gases venenosos e armas biológicas.A Alemanha ressalta que uma guerra contra o Iraque não faz parte de "guerra ao terrorismo". "Eles estão disponíveis no contexto da Operação Liberdade Duradoura, nada além disso", afirmou o chanceler.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.