Alemanha poderá ter governo de coalizão antes do Natal

Uma grande coalizão entre partidos de centro-direita e centro-esquerda poderá ser formada na Alemanha antes do Natal, afirmou hoje Hermann Gröhe, secretário-geral da União Democrata Cristã (CDU, na sigla em alemão), partido da chanceler Angela Merkel.

Agência Estado

18 de outubro de 2013 | 10h13

O comentário veio depois de representantes da CDU e do partido aliado União Social Cristã (CSU) avançarem no sentido de formar um governo de coalizão com o Partido Social Democrata (SPD), ao concordarem com o início de negociações formais. O SPD, no entanto, ainda precisa dar seu aval formal numa convenção prevista para este domingo.

"Pretendemos negociar com agilidade, mas também de forma abrangente", disse Gröhe durante coletiva de imprensa. "Está claro que nosso cronograma (para negociações sobre uma coalizão) envolve todo o mês de novembro...estou confiante, desde que trabalhemos de maneira consistente, que conseguiremos chegar a um programa que nos permita votar sobre um governo conjunto antes do Natal".

Gröhe negou uma reportagem recente do jornal Die Welt, segundo a qual o PSD estaria exigindo ocupar os ministérios de Finanças e Trabalho, enquanto os conservadores ficariam com o Ministério das Relações Exteriores como parte de uma barganha. "Primeiro o conteúdo, depois os cargos", disse ele.

A expectativa é que o presidente do SPD, Sigmar Gabriel, se torne vice-chanceler e ministro do Trabalho, e que Jörg Asmussen, hoje membro do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE), assuma como ministro de Finanças, segundo integrantes do partido que falaram sob condição de anonimato.

Nas eleições gerais de 22 de setembro, os partidos de Merkel ficaram a apenas cinco assentos de conquistar a maioria absoluta no Parlamento. O parceiro anterior, o Partido Democrático Liberal (FDP), não conquistou votos suficientes para garantir representação parlamentar. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhacoalizão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.