EFE/EPA/FILIP SINGER / POOL
EFE/EPA/FILIP SINGER / POOL

Alemanha proíbe não vacinados de frequentar comércios e bares por conta de nova variante

Decisão foi tomada após reunião entre Angela Merkel e Olaf Scholz; votação sobre obrigatoriedade da vacinação deve ocorrer nas próximas semanas

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2021 | 11h48
Atualizado 02 de dezembro de 2021 | 14h37

BERLIM - A Alemanha decidiu nesta quinta-feira, 2, aumentar as restrições a pessoas não vacinadas contra a covid-19, para tentar conter uma quarta onda de infecções, enquanto o consenso sobre a vacinação obrigatória cresce. 

“A situação é muito, muito complicada”, disse o futuro chanceler Olaf Scholz, após um encontro com a líder do governo em final de mandato, Angela Merkel, e com os líderes das 16 regiões do país. 

Embora os números tenham se estabilizado nos últimos dias, eles permanecem alarmantes, com dezenas de milhares de novos casos todos os dias e muitos hospitais à beira do colapso. Para lidar com as infecções, as autoridades decidiram aplicar restrições a pessoas não vacinadas, que representam cerca de um terço da população.

“Vamos organizar atividades culturais e de lazer em toda a Alemanha, mas apenas para pessoas vacinadas ou recuperadas” da covid-19, disse Merkel, que deixa o poder no dia 8 de dezembro após 16 anos no comando do país.  Essa regra chamada “2G”, em referência a pessoas vacinadas ou recuperadas, “também será estendida ao comércio, com exceção de lojas de produtos básicos”, disse a chanceler. 

Essas restrições drásticas no acesso à vida social para os não vacinados foram descritas por vários líderes políticos como um "confinamento". 

Pessoas não vacinadas já estão sujeitas a restrições de acesso às vias públicas há várias semanas, mas as regras variam e não cobrem todas as regiões do país. Para evitar multidões nas festividades de final de ano, o governo e as regiões também proibiram fogos de artifício, muito populares entre os alemães. 

Clubes e boates terão que fechar se o marco dos 350 casos for ultrapassado, o que já aconteceu na maioria das regiões. O uso de máscaras voltou a ser obrigatório nas escolas do país.

A Bundesliga deve impor um limite ao número de espectadores nos estádios, evitando assim o retorno aos jogos em recintos fechados. 

Vacinação obrigatória

Essas medidas buscam melhorar a situação nas próximas semanas, antes de uma votação sobre a obrigatoriedade das vacinas. A medida já foi adotada pela vizinha Áustria, onde poderá entrar em vigor em fevereiro, após a manifestação do Conselho de Ética e a votação do Parlamento. 

A opinião pública evoluiu significativamente neste assunto. No verão passado, dois terços dos alemães eram contra as vacinas obrigatórias, agora 64% são a favor, de acordo com uma pesquisa da RTL e da ntv. Nas ruas de Berlim, a vacinação obrigatória tem uma recepção bastante favorável. 

“A princípio, sempre acho que obrigar é delicado. Mas acho que já estamos tão afundados na pandemia que não há outra maneira” , explicou Clara à AFPTV. "Teria sido uma boa ideia desde o início", concordou Alicia Münch.

A medida convence os dois aliados da coalizão dos social-democratas (os verdes e os liberais, que costumam ser contra o corte das liberdades), e também os conservadores de Angela Merkel, atualmente na oposição. Apenas o partido de extrema direita AfD se opõe e lançou uma campanha com o slogan "Vacinação obrigatória? Não, obrigado!". 

O contexto é agravado pelo atual período de transição na Alemanha, com a saída de Angela Merkel e a entrada de Scholz. As restrições promovidas pela nova coalizão devem mostrar, segundo o futuro chanceler, que "não há vazio de poder, como alguns acreditam". 

“Do ponto de vista da medicina intensiva e de emergência, a situação da pandemia nunca foi tão ameaçadora e grave como agora”, alarma-se a Associação Alemã de Medicina Intensiva, que pede um confinamento parcial da população. 

Aumento de casos

O aumento de casos de covid nas últimas semanas e a chegada da nova variante Ômicron acenderam o alerta para médicos e cientistas alemães, que apontaram que os serviços médicos do país podem ficar sobrecarregados nas próximas semanas, a menos que medidas drásticas sejam tomadas. Alguns hospitais no sul e no leste da Alemanha já transferiram pacientes para outras partes do país devido à falta de leitos de terapia intensiva (UTI). Farmácias serão mobilizadas para ampliar a distribuição.

A agência alemã de controle de doenças relatou 73.209 novos casos de covid confirmados nesta quinta-feira. O país também relatou 388 novas mortes pela doença em 24 horas, elevando o total desde o início da pandemia para 102.178. /AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.