Alemanha quer levar crise das charges de Maomé à Otan

O ministro da Defesa alemão, Franz Josef Jung, quer discutir com seus colegas da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), e com ministros de outros países, a crise das charges de Maomé na reunião desta quinta-feira em Tormina, na Itália.Embora não esteja na ordem do dia, Jung acha importante colocar o assunto e buscar soluções que envolvam também os ministros de países que não pertencem à Otan e que estarão na reunião. Jung referia-se aos ministros convidados do Egito, Israel, Mauritânia, Marrocos, Tunísia, Jordânia e Argélia."Temos de debater juntos como podemos contribuir para parar o aumento da violência", destacou. Por sua vez, o Bild, jornal de maior circulação na Alemanha, e o Hurriyet, maior da Turquia, publicaram hoje um editorial conjunto, assinado pelos redatores-chefes Kai Dieckmann e Ertugrul Ozkok, pedindo a tolerância e a convivência pacífica entre muçulmanos e cristãos, além de condenar toda forma de violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.