Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Alemanha quer negociação sobre escudo antimíssil da Otan

A Alemanha pediu, nesta sexta-feira, 2, a realização de negociações sobre a criação, pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), de um escudo de defesa antimíssil para a Europa, segundo fontes do governo. A declaração foi dada um dia depois de os EUA terem prometido avançar em seus esforços para criar um sistema do tipo mesmo sem a aprovação da aliança militar. O chefe da Agência de Defesa Antimíssil do Pentágono afirmou na quinta-feira, 1, que o governo americano desejava que os 25 países membros da Otan compreendessem seus planos de construção de um escudo de defesa antimíssil para o Leste Europeu. No entanto, ressaltou que os EUA não tentariam obter qualquer tipo de autorização. Os aliados europeus dos americanos preocupam-se com a possibilidade de que a manobra prejudique suas relações com a Rússia. E a Alemanha vem liderando as pressões para que os EUA ampliem o processo de consulta sobre seus planos. A Ucrânia também reclamou pelo fato de o governo americano não tê-la consultado. "Deveríamos discutir dentro da Otan o desenvolvimento de uma manobra de defesa do tipo", afirmou a repórteres o ministro alemão da Defesa, Franz Josef, durante um encontro entre os dirigentes da área de defesa de países membros da União Européia (UE) na cidade de Wiesbaden (Alemanha). Segundo Jung, a preocupação da Rússia com o escudo deveria ser afastada por meio de discussões a serem travadas dentro do já criado Conselho Otan-Rússia, um fórum no qual os ex-inimigos da Guerra Fria tratam de questões de segurança. "Acho que essa é a forma adequada de prosseguirmos", disse. Os EUA desejam instalar um sistema de radar na República Tcheca e uma bateria de mísseis na Polônia como parte de um escudo que seria capaz de derrubar mísseis disparados por "países inamistosos" - forma pela qual os EUA se referem a Estados como o Irã e a Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.