Michael Kappeler/Pool via Reuters
Michael Kappeler/Pool via Reuters

Alemanha reforça confinamento na Páscoa e estende restrições até 18 de abril

Angela Merkel alertou que a situação é 'muito grave' e destacou a importância de não 'sobrecarregar o sistema de saúde'; chanceler fez anúncio após reunião com governadores

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2021 | 02h50

BERLIM - A maior parte do comércio irá fechar e as cerimônias religiosas serão canceladas na Alemanha durante a Páscoa - de 1º a 5 de abril -  para reforçar as restrições e impedir o aumento no número de infecções pela covid-19, anunciou a chanceler alemã, Angela Merkel, nesta terça-feira, 23. 

Além disso, muitas das restrições em vigor desde o fim de 2020, como a limitação de reuniões privadas e o fechamento de espaços culturais e de lazer, foram prorrogadas até 18 de abril, informou a chanceler após uma negociação de quase 12 horas com os governadores dos 16 estados.

Merkel alertou que a situação é "muito grave" e destacou a importância de não "sobrecarregar o sistema de saúde". "Temos uma nova pandemia com a propagação da variante britânica", disse. Ela indicou que essa mutação é "mais mortal, mais infecciosa" e impõe uma recuperação mais demorada.

O acordo prevê estender as restrições gerais, reduzindo o contato entre pessoas que não morem juntas, e ainda estabelece toques de recolher em localidades onde a incidência acumulada supere 100 novos casos por 100 mil habitantes em sete dias.

Nesses locais, que hoje representam cerca de metade do país, será aplicado o chamado "freio de emergência". Assim, comércio varejista, museus e centros desportivos terão de encerrar nessas regiões, onde estavam abertos há apenas duas semanas. As escolas, no entanto, podem permanecer abertas. “Era absolutamente essencial usar o freio de emergência”, justificou a chanceler.

Apenas alguns estabelecimentos essenciais - e com limitações - poderão abrir atualmente, como postos de gasolina, farmácias e supermercados. Durante todos esses dias, haverá a proibição nacional de aglomeração em espaços públicos, a mesma que foi aprovada para evitar multidões festivas na passagem de ano.

“Vemos a intensidade do crescimento exponencial e acredito que os dias extras da Páscoa vão contribuir para os esforços de controle da pandemia”, disse Merkel. Ela reconheceu que o início da retomada, aprovada há três semanas, acarretou uma série de "riscos" que acabaram por se materializar.

Tester RT-PCR para todos os viajantes

A chanceler alemã e os líderes regionais também concordaram em estender a todos os viajantes que chegam ao país a obrigação de fazer um teste RT-PCR, independentemente do local de origem. Até o momento, essa medida se limitava aos locais considerados "áreas de risco".

Esta decisão é a uma resposta à polêmica em torno do feriado da Páscoa em Maiorca, cuja demanda disparou depois que as autoridades alemãs retiraram as Ilhas Baleares da lista de áreas de risco, o que havia eliminado a obrigação de teste e quarentena./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.