Peter Kneffel/DPA via AP
Peter Kneffel/DPA via AP

Alemanha reforça medidas de segurança após atentado racista

Homenagens a vítimas também tiveram debates sobre armas, proteção de minorias e o papel do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema direita

Mathieu Foulkes / AFP, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2020 | 11h07

BERLIM - Sob o choque do ataque racista em Hanau e instado a reagir, o governo alemão anunciou nesta sexta-feira, 21, um fortalecimento da vigilância policial, especialmente em torno das mesquitas, diante de uma ameaça "muito elevada" da extrema direita.

As homenagens em memória das nove vítimas dos tiroteios em Hanau, organizadas na quinta-feira à noite em cerca de 50 cidades alemãs, deram lugar a um debate sobre armas, a proteção de minorias e o papel incendiário do partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

O país registrou três ataques racistas e antissemitas em nove meses: do assassinato de um político favorável a migrantes até o massacre de Hanau, passando pelo ataque à sinagoga de Halle, em pleno Yom Kippur.

Nesse contexto, também marcado pelo desmantelamento de grupos prontos para agir, "não podemos mais falar de atos individuais (...), mas de um problema político. É hora de encarar", resumiu nesta sexta-feira o jornal Tagesspiegel.

'Bombas-relógio' 

Diante deste "grande perigo para a democracia", segundo a ministra da Justiça, Christine Lambrecht, o governo anunciou novas medidas nesta sexta-feira. "Lugares sensíveis", em particular os arredores de mesquitas, aeroportos e fronteiras, terão a segurança reforçada, anunciou o ministro do Interior, Horst Seehofer.

O governo de Angela Merkel já havia reforçado significativamente seu arsenal legislativo e de segurança nos últimos meses, principalmente impondo novas obrigações às redes sociais para denunciar conteúdo odioso, e protegendo autoridades e ativistas.

Tem dificuldades, no entanto, para combater todas as ameaças, em particular as encarnadas por indivíduos solitários, desconhecidos da polícia e legalmente armados, que passam à ação de repente, como o assassino de Hanau.

Esses "lobos solitários" que estão se radicalizando são "bombas-relógio que devemos combater com todos os meios que o Estado constitucional nos oferece", argumentou a ministra da Justiça.

"O que já é feito no campo do jihadismo" em termos de vigilância on-line, incluindo aplicativos criptografados, "também deve ser realizado no extremismo de direita", defende Peter Neumann, especialista em terrorismo no King's College de Londres em entrevista ao jornal Die Welt.

O autor do ataque de Hanau, desconhecido da polícia, tinha um site pessoal que misturava teorias raciais e conteúdo de teor conspiratório. Esses "sinais" devem ser mais bem antecipados no futuro, argumenta Neumann.

Agressividade

Outro aspecto da ameaça diz respeito a um possível controle mais rigoroso sobre a posse de armas. Cerca de 5,4 milhões de armas estão em circulação no país, segundo o diário Bild. O Ministério do Interior está particularmente preocupado com o fato de a extrema direita radical estar adquirindo cada vez mais armas de todos os tipos.

A polícia apreendeu um total de 1.091 armas em 2018, em comparação com 676 no ano anterior, no contexto de investigações de delitos e crimes atribuídos a extremistas de direita. Membros da direita conservadora CDU pediram um reforço da legislação sobre armas, uma aposta alta em um país que gosta da caça e do tiro esportivo, disciplina praticada pelo assassino de Hanau.

"As armas automáticas não podem mais ser mantidas nas casas de indivíduos, incluindo atiradores esportivos", considerou o Frankfurter Allgemeine Zeitung em um editorial.

AfD

Finalmente, o drama de Hanau tem uma dimensão política em um país marcado pelo crescimento, a partir de 2013, da sigla de extrema direita AfD, com representação no Parlamento há dois anos.

Abertamente xenófoba e com lideranças que criticam em voz alta o arrependimento alemão sobre o nazismo, essa legenda deve ser colocada "sob a vigilância" dos serviços de Inteligência, afirma o secretário-geral do partido social-democrata, o SPD, Lars Klingbeil.

"Alguém atirou em Hanau, mas muitos forneceram-lhe munição, e a AfD certamente foi um deles", denunciou na emissora pública ARD. "A AfD é responsável pela polarização (...) e pela agressividade no discurso político", resumiu Oliver Decker, especialista em extrema direita da Universidade de Leipzig.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.