AFP PHOTO / BUNDESWEHR German Army / Torsten KRAATZ
AFP PHOTO / BUNDESWEHR German Army / Torsten KRAATZ

Alemanha registra 140 mortes e mais de 6 mil novos casos de coronavírus em 24 horas

De acordo com autoridades sanitárias do país, total de mortos chegou a 872, enquanto o número de casos confirmados se aproxima de 74 mil

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2020 | 06h59

BERLIM - A Alemanha registrou aumento no número de casos e de mortes confirmadas por coronavírus. De acordo com as autoridades sanitárias do país, 6.156 casos da doença foram confirmados e 140 mortes em decorrência da covid-19 ocorreram no mesmo período. Com a crescente no último dia, o país chega a 73.522 casos confirmados da doença e 872 mortos.

Leia Também

A África também

A África também

Os números estão sendo contabilizados pelo Instituto Robert Koch, centro competente pela epidemiologia da Alemanha. As informações foram atualizadas nesta quinta-feira, 2, e seguem apontando para um número menor do que o apresentado pela Universidade Johns Hopkins, dos EUA, que utiliza um método de recolhimento de dados mais dinâmico  e fala em 77.981 casos da doença e 931 vítimas no país.

A Alemanha é o quinto país do mundo com maior número de contágios, atrás apenas de Estados Unidos, Itália, Espanha e China, segundo a universidade americana. Os Estados mais afetados pela crise de saúde pública até agora são a Baviera, Baden-Württemberg e Renânia do Norte-Westfalia.

Os hospitais Helios Klinikum, localizado em Munique, na Baviera, e a clínica Ernst von Bergmann, de Potsdam, em Bradenburgo, foram obrigados a suspender as atividades normais devido ao elevado número de casos entre pacientes e funcionários. Desse modo, nenhum dos hospitais pode receber novos pacientes e nem dar alta aos que estão internados.

Dada a situação enfrentada pelo país, o governo federal e os 16 governos estaduais decidiram, nessa quarta-feira, 1, prorrogar até o final da Semana Santa as restrições à vida pública e às atividades comerciais, medidas impostas no dia 22 de março para tentar freiar a propagação do vírus.

A chanceler alemã Angela Merkel afirmou que é "muito cedo" para pensar em um relaxamento das medidas e pediu paciência aos cidadãos. Merkel e os chefes dos governos estaduais devem voltar a analisar às medidas adotadas no dia 19 de abril, quando encerram as férias escolares da Semana Santa. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.