Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Andreas Arnold/DPA via AP
Andreas Arnold/DPA via AP

Alemanha registra 964 mortes e 32.552 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Na quarta-feira, país registrou pela primeira vez mais de mil óbitos 

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2020 | 07h57

BERLIM - O Instituto Robert Koch (RKI) de virologia registrou 32.552 infecções de coronavírus na Alemanha, notificados nas últimas 24 horas pelos postos de saúde, e 964 óbitos relacionados à covid-19. Com isso, os números permanecem nos níveis recorde de mais de 30 mil infecções já observadas na semana que antecede o Natal. 

Desde o início da pandemia, houve 1.719.737 casos confirmados de coronavírus na Alemanha. O recorde do número de mortos foi registrado na quarta-feira, 30, com mais de 1.100 mortes. 

O RKI estima que 1.328.200 pessoas na Alemanha superaram a doença e 33.071 pessoas morreram dela. A incidência semanal é atualmente de 139,8 infecções por 100.000 habitantes. As autoridades sanitárias consideram que a incidência semanal atinge um nível crítico de 50 infecções por 100 mil habitantes. 

O objetivo das restrições que prevalecerão na Alemanha até 10 de janeiro é reduzir a incidência semanal abaixo do nível crítico. 

Na Alemanha não há confinamento no sentido amplo, já que as pessoas podem sair de casa por vários motivos, incluindo esporte individual, mas as lojas e a maioria dos restaurantes estão fechadas e há regras para reduzir os contatos que eles variam entre os vários estados federais.

Em 5 de janeiro, haverá uma nova conferência entre a chanceler alemã Angela Merkel e os primeiros-ministros dos 16 estados federais, e as restrições provavelmente serão prolongadas. 

O primeiro-ministro do Sarre, Tobias Hans, por exemplo, disse ao jornal Rheinische Post que as restrições são necessárias e devem ser prolongadas. Os números atuais, segundo Hans, podem ser enganosos, pois pode haver infecções ainda não relatadas, devido ao efeito dos feriados. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.