Alemanha revisa licença da Flash Airlines após acidente

O órgão regulador da aviação civil da Alemanha colocou em revisão os direitos de vôo da companhia egípcia Flash Airlines, após um Boeing 737 com bandeira da empresa ter caído no Mar Vermelho, próximo ao balneário de Sharm el-Sheikh, matando as 148 pessoas a bordo. O avião tinha sido fretado para um grupo de turistas, principalmente franceses. A porta-voz do órgão alemão, Cornelia Eichhorn, afirmou que a revisão da licença foi determinada por causa do acidente e que não havia nenhuma informação negativa anterior sobre a empresa. O ministro dos Transportes da França, Gilles de Robien, declarou, em entrevista a uma rádio, que a Flash Airlines tem uma boa reputação e todos os seus aviões apresentam níveis de segurança para voarem. O balneário Sharm el-Sheikh é um dos destinos mais procurados por europeus para escaparem do frio. O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, sua mulher e seus quatro filhos estão passando férias no balneário, mas as autoridas egípcias descartaram que o acidente tenha relação com um possível ataque terrorista. Blair foi o principal aliado do presidente dos EUA, George W. Bush, na invasão ao Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.