Laurent Dubrule / EFE
Laurent Dubrule / EFE

Alemanha tem mais de 420 extremistas islâmicos vivendo no país, diz ministro do Interior

Segundo Thomas Maiziere, 760 pessoas viajaram da Alemanha para o Iraque ou para a Síria para participar de operações militares ou apoiar o Estado Islâmico e outros grupos terroristas e cerca de um terço retornou para o país

Dow Jones Newswires

22 de novembro de 2015 | 14h05

BERLIM - O ministro do Interior da Alemanha,  Thomas de Maiziere, afirmou neste domingo, 22, que estima-se que existam 420 extremistas islâmicos vivendo atualmente no país. Em entrevista publicada pelo jornal Bild am Sonntag, Maiziere disse ainda que cerca de 120 pessoas com cidadania da Alemanha morreram apoiando ou lutando pelo Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

O ministro afirmou que 760 pessoas viajaram da Alemanha para o Iraque ou para a Síria para participar de operações militares ou apoiar o Estado Islâmico e outros grupos terroristas.

"Cerca de um terço deles retornaram para a Alemanha", disse de Maiziere à publicação. "Nós sabemos de 70 pessoas que participaram ativamente de batalhas ou de treinamentos e depois voltaram para a Alemanha."

Os comentários do ministro foram divulgados no momento em que a Alemanha e outros países da Europa estão em alerta máximo de terrorismo após os ataques em Paris que deixaram 130 mortos no dia 13 de novembro.

A maioria dos extremistas que viajam para o Iraque e para a Síria da Alemanha são homens com menos de 30 anos, que cresceram na Alemanha, de acordo com de Maiziere. Cerca de um quinto dos militantes são mulheres.

"A maioria tem cidadania alemã ou dois passaportes. Geralmente eles falam melhor alemão do que a língua do país de origem de seus pais ou avós", disse o ministro.

Questionado sobre o temor de que extremistas islâmicos possam ter entrado na Alemanha juntamente com os milhares de refugiados que chegaram ao país este ano, de Maiziere disse que o governo está observando de perto qualquer pista que possa indicar algo suspeito.

"Há muitos indícios de que os terroristas possam se misturar com os refugiados, mas até o momento não confirmamos nada", comentou.

O ministro disse também que está trabalhando para reduzir o número de imigrantes que entram na Alemanha. A melhor forma de lidar com a questão, segundo ele, seria se a União Europeia concordasse em aceitar uma quota generosa de refugiados que seriam escolhidos pela Agência de Refugiados da Organização das Nações Unidas, a ACNUR. Uma proteção mais extrema das fronteiras da União Europeia também seria necessária.

"Uma quota significa automaticamente limitar o número de refugiados", disse. 

De acordo com o estado da Bavária, a Alemanha registrou a entrada de mais de 900 mil imigrantes este ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.