Christof Stache/AFP
Christof Stache/AFP

Alemanha ultrapassa um milhão de casos de covid-19 e registra novo máximo de mortes

Os positivos registrados desde o início da pandemia chegam a 1.006.394, com 15.586 óbitos

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2020 | 05h03

BERLIM - A Alemanha ultrapassou nesta sexta-feira, 27, um milhão de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o primeiro caso confirmado no país no final de janeiro. A nação também registrou um novo máximo de mortes, com 426 falecimentos em 24 horas.

Assim, os positivos registrados desde o início da pandemia chegam a 1.006.394, com 15.586 óbitos. O Instituto Robert Koch (RKI), responsável pelo controle e prevenção de doenças, estima que cerca de 696.100 pessoas se recuperaram.

As autoridades de saúde registraram 22.806 novas infecções nas últimas 24 horas, 538 a mais do que ontem e um pouco abaixo do novo máximo absoluto de 23.648 infecções alcançado há uma semana, de acordo com os últimos dados do instituto.

Em toda a Alemanha, a incidência acumulada nos últimos sete dias foi de 137,8 casos por 100 mil habitantes.

O número de pacientes com covid-19 em unidades de terapia intensiva subiu para 3.826 na quinta-feira, dos quais 2.290 (60%) recebem respiração assistida, segundo dados da Associação Interdisciplinar Alemã de Terapia Intensiva e Medicina de Emergência (DIVI).

O fator de reprodução (R) que considera as infecções em um intervalo de sete dias em relação aos sete anteriores, e que reflete a evolução das infecções de 8 a 16 dias atrás, é de 0,90, o que implica que cada cem infectados infectam outras 90 pessoas.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e os chefes de governo dos estados federais concordaram na quarta-feira em endurecer as restrições atuais a partir de 1º de dezembro e estendê-las até o início de janeiro.

Durante o Natal haverá uma certa flexibilização das medidas para permitir a celebração com a família ou amigos, elevando o número máximo de reuniões para dez (onde os menores de 14 anos não contam).

Para regiões com incidência cumulativa em sete dias de mais de 200 novas infecções por 100 mil habitantes, está prevista a introdução de medidas ainda mais duras, como as anunciadas na quinta pela cidade-estado de Berlim, com incidência de 215,6.

Assim, as festas de Natal e Ano Novo em Berlim deverão ser celebradas em reuniões com um máximo de cinco pessoas, além dos menores de 12 anos.

A limitação de reuniões privadas a cinco pessoas entrará em vigor em todos os estados federais em 1º de dezembro; atualmente esse limite ainda é de 10 pessoas.

Com a paralisação parcial da vida pública em vigor desde o último dia 2, a Alemanha conseguiu estabilizar as novas infecções diárias, embora elas estejam em um nível ainda muito alto.

As atuais restrições traduzem-se no fechamento da gastronomia, da vida noturna, dos esportes em recintos fechados e da vida cultural, além de certas regulamentações para as lojas, que permanecem abertas, e que agora serão endurecidas./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.