Alemão vai a julgamento por negar Holocausto

Um alemão de 42 anos deportado dos EUA de volta à Alemanha foi para julgamento nesta terça-feira sobre alegações de negação do Holocausto.Germar Rudolf, que publicou um estudo alegando provar que os nazistas não usaram câmaras de gás no campo de concentração de Auschwitz, na Áustria, enfrenta possíveis cinco anos de prisão se condenado. Em seu discurso de abertura, o promotor Andreas Grossmann disse que Rudolf usava a internet para espalhar documentos atacando as verdades históricas. "Ele apresentou o Holocausto como uma invenção", disse Grossmann.Rudolf foi sentenciado em 1995, na Alemanha, a 14 meses de prisão por negar o holocausto, mas desapareceu. Ele pediu asilo político nos EUA em 2000, mas foi rejeitado e então deportado ano passado para servir a sentença de 1995. Ele foi preso quando apareceu no escritório da imigração em Chicago para pedir um visto permanente baseado em seu casamento com uma cidadã americana. Rudolf é julgado na mesma corte estadual de Mannheim que atualmente audita uma semelhante, mas não relacionado, caso contra Ernst Zundel, um alemão deportado do Canadá ano passado. O julgamento de Rudolf é esperado a durar até o fim de janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.