EFE USGS
EFE USGS

Alerta de tsunami é emitido após terremoto de 7,5 graus na Nova Caledônia

De acordo com autoridades, ondas provocadas pelo tremor no arquipélago no Pacífico Sul podem atingir costas no raio de mil quilômetros a partir do epicentro

O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2018 | 03h31
Atualizado 05 Dezembro 2018 | 04h55

SIDNEY - Um terremoto de 7,5 graus de magnitude na escala Richter atingiu a costa do arquipélago francês de Nova Caledônia, na Oceania, nesta quarta-feira, 5. O tremor provocou um alerta de tsunami que, de acordo com o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico (PTWC, na sigla em inglês), pode atingir um raio de até mil quilômetros. Até o momento, não foram registradas vítimas.

"De acordo com os parâmetros sísmicos preliminares (...), ondas perigosas de tsunami são possíveis nas costas localizadas nos 1.000 quilômetros do epicentro do terremoto", informou o PTWC.

Por conta do alerta, as autoridades de Nova Caledônia ordenaram a imediata evacuação da população assentada na costa do arquipélago do Pacífico Sul.  A recomendação é que as pessoas fiquem a uma distância de mais de 300 metros das praias e em locais pelo menos 12 metros mais altos que o nível do mar.

O PTWC já informou ter constatado ondas de tsunami na região, mas não detalhou exatamente em que local. As avaliações preliminares apontam que as costas do arquipélago françes e de Vanuatu podem ser atingidas por ondas de um a três metros de altura.

O órgão também apontou que ondas de até um metro podem chegar até a costa de Fiji. Mais de 20 países insulares do Pacífico, entre eles o Japão e a Austrália, também podem registrar um pequeno aumento nas águas. Após o terremoto as autoridades da Nova Zelândia emitiram um alerta semelhante de tsunami.

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, que vigia a atividade sísmica mundial, o epicentro do terremoto foi situado a 10 quilômetros de profundidade. Ainda segundo o órgão, a tremor aconteceu a 168 quilômetros ao leste da cidade de Tadine, na Ilha Maré, que faz parte do arquipélago francês localizado no "Anel de Fogo do Pacífico", área de instabilidade geológica e de alta ocorrência de tremores e atividade vulcânica no Pacífico Sul.

Em um plebiscito realizado em novembro, a maioria dos habitantes de Nova Caledônia votou por permanecer como parte do território da França. O arquipélago foi anexado em 1853, mas o povo nativo da região, Kanak, sofreu forte discriminação durante o regime colonial. A Nova Caledônia recebe cerca de 1,3 bilhão de euros ao ano em subsídios da França.\ EFE, AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.