Alguns quenianos esquecem crise para torcer por Obama

Os quenianos torciam nestaterça-feira por Barack Obama, esperando que a vitória em NewHampshire de um político visto como filho de sua terra possadistrair a população da crise pós-eleitoral. Obama, filho de um queniano, tenta ser o primeiropresidente negro dos Estados Unidos, e lidera à frente da rivalHillary Clinton muitas pesquisas sobre as primárias destaterça-feira para a escolha de New Hampshire do candidatodemocrata nas eleições de novembro. Ele se disse "profundamente abalado" pela violência quematou 500 pessoas desde as eleições de 27 de dezembro no paísafricano. Os quenianos também estão chocados, mas nestaterça-feira muitos voltaram as atenções brevemente para osEstados Unidos. Em Kogelo, vila no oeste do Quênia de onde partiram osancestrais de Obama, as pessoas praticamente não tinham outroassunto. "Estamos todos otimistas e esperamos muito que ele vença",disse à Reuters Said Obama, tio de Barack com 41 anos. "Estamos rezando por ele e esperamos que tudo dê certo...Isso nos alivia da violência que está ocorrendo nesse país.Pelo menos temos algo para nos fazer feliz." O senador de Illinois visitou Kogelo pela última vez em2006, e foi recebido com pompa por milhares de pessoas. Kogelo,que se orgulha de ter a escola onde Barack estudou, fica 100quilômetros ao noroeste de Kisumu, bastião do opositor RailaOdinga às margens do Lago Vitória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.