´Ali Químico´ compara Anfal a ataques americanos no Iraque

O primo de Saddam Hussein acusou o governo iraquiano de permitir que os Estados Unidos bombardeiem bairros de Bagdá matando civis inocentes, e traçou um paralelo entre a operação e campanha de Anfal durante a guerra entre Irã e Iraque, de 1980 a 1988.Ali Hassan al-Majid, também conhecido como "Ali Químico" por utilizar armas químicas contra os curdos, disse que a campanha de Anfal foi necessária para o Iraque se proteger de inimigos internos e externos.Al-Majid é um dos seis acusados por crimes de guerra e contra a humanidade por participar da campanha militar Anfal entre os anos de 1980 a 1988, durante a guerra do Irã e Iraque. Mais de 100 mil curdos morreram nos conflitos.Quando al-Majid foi questionado pelo juiz Mohammed Oreibi al-Khalifa sobre as bombas qeu foram lançados contra vilarejos curdos que abrigavam mulheres e crianças, o primo de Saddam se defendeu dizendo que os soldados americanos fizeram a mesma coisa durante os recentes ataques em Haifa Street, em Bagdá"Eu escutei no rádio que aviões americanos bombardearam Haifa Street. Por que não podemos fazer as mesmas coisa que os Estados Unidos fazem?", disse al-Majid.No mês passado, tropas americanas e iraquianas travaram longas batalhas contra insurgentes que vinham de Haifa Street. O governo do Iraque divulgou que 30 rebeldes foram mortos e 27 capturados, mas os grupos sunitas disseram que a maioria das vítimas eram civis.O juiz ponderou que os americanos são estrangeiros enquanto membros do próprio regime de Saddam matavam curdos, que eram companheiros."Seu chefe (Saddam), que era o presidente, se considerou responsável por todos os iraquianos", disse al-Khalifa. "Você está diretamente relacionado com as pessoas que castigou, esta é a diferença".Al-Majid interrompeu o juiz, dizendo que os atuais líderes iraquianos também são responsáveis pelos civis de seu país, mas permitem ataques americanos e afirmou ainda que os curdos se rebelavam constantemente contra o governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.