Aliado de Berlusconi envolvido em corrupção "gigantesca"

O Tribunal de Milão que condenou um aliado próximo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi por suborno de juízes revelou que o julgamento trouxe à luz o maior caso de corrupção da Itália pós-guerra. Cesare Previti, um advogado e deputado do partido conservador Força Itália, de Berlusconi, foi condenado em abril e sentenciado a 11 anos de prisão. Seis outros réus no julgamento também foram considerados culpados, e um foi inocentado. Previti, que jura inocência, garante estar sendo vítima de magistrados esquerdistas. Ele está apelando da sentença. "Qualquer comentário seria supérfluo", disse Previti. "A sentença estava escrita desde o primeiro dia do julgamento".Na justificativa de sua decisão, os juízes de Milão descreveram o caso como "fruto de uma gigantesca atividade de corrupção", uma "corrupção devastadora". "O quadro que eventualmente emerge é certamente da maior corrupção na história da república na Itália", lê-se em uma parte da explicação de 1.000 páginas. O julgamento durou três anos e cobriu dois casos.Em um, Previti, junto com dois outros advogados, foram acusados de receber um pagamento de o equivalente a cerca de US$ 35 milhões dos herdeiros da empresa química SIR para subornar três juízes que decidiam um caso envolvendo a companhia. No outro, os mesmos três juízes foram acusados de corromper um outro juiz para que revertesse uma decisão em favor do industrial Carlo De Benedetti e contra Berlusconi, pelo controle da gigante editorial Mondadori.Graças à decisão em favor de Berlusconi, a Arnoldo Mondadori Editore é agora parte do império de comunicação do premier.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.