Ronen Zvulun/Pool/AFP
Ronen Zvulun/Pool/AFP

Aliado de Trump, Netanyahu parabeniza vitória de Biden: 'um grande amigo de Israel'

Primeiro-ministro mandou mensagem horas depois que muitos líderes mundiais; pesquisas mostram que novo presidente americano é impopular entre os israelenses

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2020 | 09h35

JERUSALÉM - O primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu parabenizou no domingo o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, após sua vitória nas eleições, dizendo que esperava trabalhar junto com o novo governo e fortalecer a aliança dos dois países.

“Parabéns @JoeBiden e @KamalaHarris. Joe, temos um relacionamento pessoal longo e caloroso há quase 40 anos e eu o conheço como um grande amigo de Israel. Estou ansioso para trabalhar com vocês dois para fortalecer ainda mais a aliança especial entre os EUA e Israel ”, disse Netanyahu em sua conta no Twitter, que ainda carrega uma fotografia dele e do atual presidente dos EUA, Donald Trump, na capa.

“Obrigado @realDonaldTrump pela amizade que você demonstrou ao estado de Israel e a mim pessoalmente, por reconhecer Jerusalém e o Golan, por enfrentar o Irã, pelos acordos de paz históricos e por levar a aliança americano-israelense a patamares sem precedentes”, Netanyahu tweetou.

A mensagem de Netanyahu veio horas depois que muitos líderes mundiais e alguns ministros israelenses parabenizaram o democrata Biden, mesmo quando Trump se recusou a ceder e avançou com lutas legais contra o resultado.

Os laços particularmente estreitos do direitista Netanyahu com Trump seguiram-se a um relacionamento amargo com seu antecessor Barack Obama, que alguns críticos disseram ter alienado os democratas e comprometido o apoio bipartidário dos EUA a Israel.

O atrito entre Netanyahu e o novo governo pode surgir devido à promessa de Biden de restaurar o envolvimento dos EUA no acordo nuclear com o Irã e uma provável oposição da Casa Branca ao assentamento israelense de terras ocupadas onde os palestinos buscam a criação de um Estado.

Tendo estado em sintonia com Trump nos últimos quatro anos, Netanyahu pode enfrentar uma crise política - embora possa ser adiada pela necessidade do próximo governo Biden de lidar primeiro com a crise da covid-19 e os problemas econômicos dos EUA.

Israelenses preferem Trump

Se Joe Biden conhece muito bem Israel, país que visitou pela primeira vez em 1973 e disse em 2015 que desejava manter a "promessa sagrada de proteger a casa de origem dos judeus", é, por enquanto, impopular entre os israelenses.

De acordo com duas pesquisas recentes, 63% dos israelenses preferem Trump a Biden (17-18%).

As autoridades eleitas israelenses temem o surgimento de uma nova geração, considerada menos favorável, senão hostil, ao Estado hebreu dentro do Partido Democrata, e um abrandamento sob Joe Biden da política americana em relação ao Irã, o inimigo declarado de Israel.

O governo israelense também acusou os democratas Rashida Tlaib e Ilhan Omar de apoiar a campanha de boicote ao Estado judeu por suas políticas nos territórios palestinos ocupados.

"Há uma influência crescente de uma ala progressista radical no Partido Democrata. A maioria é anti-Israel, mas não sabemos que influência terá no próximo governo", estima Eytan Gilboa, professor de ciências políticas na universidade Bar-Ilan israelense.

Acordo com o Irã pode trazer instabilidade o Oriente Médio

Nos últimos meses, três países árabes, incluindo os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, que compartilham com Israel a animosidade em relação ao Irã, normalizaram as relações com Tel Aviv, sob o patrocínio de Washington.

Se Joe Biden iniciar um diálogo com o Irã, o que acontecerá com esses acordos? "Os iranianos vão dizer o seguinte: não se pode ao mesmo tempo negociar conosco e estender uma coalizão que é contra nós", resume Gilboa.

Para Michael Oren, ex-embaixador israelense em Washington, "a grande questão é saber até que ponto o governo americano se engajará nesses acordos", descritos como "traição" pelos palestinos.

Na Cisjordânia ocupada, o presidente palestino Mahmoud Abbas disse que estava "ansioso para trabalhar" com a equipe de Biden para "melhorar" as relações EUA-Palestina e garantir "justiça e dignidade" para os palestinos. 

A política pró-Israel de Donald Trump fez com que os palestinos cortassem os laços com Washington. Sob seu governo, os Estados Unidos fecharam seu consulado em Jerusalém Oriental, parte da cidade reivindicada pelos palestinos, cortaram sua ajuda aos palestinos e suspenderam sua contribuição para a agência da ONU para os refugiados palestinos.

E o plano Trump para o Oriente Médio, que inclui a anexação de partes da Cisjordânia por Israel e um Estado palestino em um território reduzido, foi rejeitado pelos palestinos.

A companheira de chapa de Joe Biden, Kamala Harris, disse que se opunha à "anexação" e "expansão" dos assentamentos israelenses.

Sob Biden, os Estados Unidos buscarão se envolver "muito mais" com os palestinos, acredita Sarah Feuer, analista do Washington Institute for Near East Policy. 

Na ausência de um entusiasmo esmagador por Biden, alguns do lado palestino saboream a derrota de Trump. Para Nabil Shaath, conselheiro de Abbas, "não houve pior do que a era Trump! Seu fim é uma vitória". /AFP, Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.