Aliados ampliam ataques na Líbia; Kadafi desafia o Ocidente

Não podemos ficar inertes quando um tirano diz a seu povo que não há misericórdia, diz Obama

estadão.com.br,

19 Março 2011 | 16h44

  Míssil Tomahawk é lançado do Mediterrâneo. Foto: Divulgação/AP   

Atualizada às  20h08

 

WASHINGTON -  Uma coalizão formada por EUA, França, Reino Unido, Canadá e Itália ampliou os ataques contra as forças do ditador líbio, Muamar kadafi, neste sábado, 19. Segundo o Pentágono, as Marinhas dos Estados Unidos e do Reino Unido lançaram mais de 110 mísseis  do tipo Tomahawk vindos de submarinos posicionados no Mar Mediterrâneo para destruir 20 alvos de defesa antiaérea do coronel nas cidades de Misrata e Trípoli. A operação foi batizada de 'Odisseia da Alvorada' (Odissey Dawn, em tradução livre). 

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

 

Depois do bombardeio, segundo fontes do governo americano, a capacidade de defesa antiaéarea líbia ficou severamente danificada. A coalizão atacou a Líbia em cumprimento à resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que prevê o estabelecimento de uma zona de exclusão aérea no país e a adoção de 'quaisquer medidas necessárias' para proteger os civis. Não haverá, no entanto, incursão terrestre.

 

Em Trípoli, numa breve entrevista por telefone à TV estatal, Kadafi ameaçou mais uma vez atacar alvos civis e militares fora da Líbia e disse que o Mar Mediterrâneo se tornou um campo de batalha. "Vamos abrir o depósito de armas", disse Kadafi. Ele convocou todos os líbios a defender o país da "segunda cruzada do Ocidente"

 

O presidente americano Barack Obama disse em Brasília ter autorizado uma limitada ação militar americana para proteger civis líbios de ataques das forças de Kadafi.  "Não foi isto que os EUA, nem nenhum de nossos aliados procurou", disse Obama, que voltou a rejeitar o uso de tropas terrestres. "Mas nós não podemos ficar inertes quando um tirano diz a seu povo que não haverá misericórdia". 

 

Há 25 embarcações navais da coalizão no Mar Mediterrâneo, segundo o Pentágono, entre eles três submarinos americanos. Onze delas são italianas, onze, americanas, e três de Reino Unido, França e Canadá

 

Mais cedo, caças da Força Aérea Francesa realizaram uma série de quatro ataques contra forças terrestres de Kadafi nos arredores de Benghazi. Participaram da ação 20 jatos Rafale e Mirage. Eles defendem uma área de 15 mil km² em torno da capital rebelde.  A França deve enviar à Líbia amanhã o porta-aviões Charles de Gaulle, sediado no porto de Toulon.

 

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, deu a autorização para a Real Força Aérea Britânica (RAF, na sigla em inglês) participar das operações. Ainda não há, no entanto, registro de bombardeios britânicos sobre a Líbia.  

 

A Itália também enviou jatos para voos de reconhecimento sobre o espaço aéreo líbio e ofereceu a base da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para ser o centro de comando da operação.  Caças canadenses estão a caminho do Mediterrâneo. Países árabes, como Catar e Emirados Árabes Unidos, devem participar também da ação.

 

O anúncio

A intervenção militar na Líbia foi anunciada em Paris pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy no final da manhã. "Nossos aviões já estão impedindo ataques aéreos em Benghazi. É hora da França, ao lado de seus aliados, assumir sua responsabilidade perante a História", disse, ao anunciar a intervenção. 

O presidente acusou Kadafi de desdenhar os ultimatos internacionais e prometeu agir para conter o que chamou de 'loucura assassina' na Líbia. "Nosso dever é apoiar os povos árabes. Nossa determinação é total".

Pouco depois, em encontro com a presidente Dilma Roussef em Brasília, Obama falou brevemente sobre os ataques à Líbia. "Nosso consenso foi forte e nossa decisão é clara. O povo da Líbia precisa ser protegido e, na ausência de um fim imediato à violência contra civis, nossa coalizão está preparada para agir e agir com urgência", disse. Àquela altura, a Marinha americana ainda não havia disparado.

Leia ainda:

link Forças de Kadafi desrespeitam cessar-fogo e bombardeiam Benghazi

linkChávez chama de 'irresponsabilidade' intervenção militar na Líbia

linkCoalizão está pronta para agir contra Kadafi, diz Obama no Brasil

 

Mais conteúdo sobre:
Líbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.