Aliados criam grupo de mediação para crise líbia e pedem saída de Kadafi

Primeira reunião acontecerá no Catar nos próximos dias; França se diz pronta para armar rebeldes

estadão.com.br,

29 de março de 2011 | 15h15

Enviados de mais de 40 países e organizações reunidos na Conferência Internacional de Londres sobre a crise na Líbia concordaram em criar um 'grupo de contato' para mediar a crise no país. Os diplomatas defenderam também a renúncia do ditador Muamar Kadafi.  

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

O Catar, que presidirá o bloco, vai sediar o primeiro encontro nos próximos dias. De acordo com comunicado da chancelaria britânica, o objetivo do grupo de contato é criar um foro para coordenar a resposta internacional à crise e colocar a comunidade internacional em contato com representantes líbios.

 

Saída de Kadafi

 

O primeiro-ministro catariano, xeque Hamad bin Jassim al-Thani, defendeu a saída de Kadafi em entrevista após o encontro. "Acredito que seja a [única solução para resolver o problema o quanto antes. Por enquanto não vemos nenhum indicativo disto, mas acredito que nossa oferta não durará muito", disse.

 

 

Segundo o ministro de Relações Exteriores da Itália, Franco Fratini, os membros da reunião foram unânimes sobre a necessidade de renúncia de Kadafi.

 

Armas para rebeldes

 

De acordo com a chancelaria britânica, a reunião de hoje não abordou a entrega de armas para os rebeldes líbios. A França, no entanto, se disse pronta para fazê-la. " Isto (a entrega de armas) não faz parte da resolução da ONU, mas estamos prontos para discutir isto com nossos parceiros", afirmou o chanceler Alain Juppé.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse ter discutido meios de ajudar financeiramente os rebeldes e que armá-los só seria possível com a permissão do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Participaram da reunião os EUA, países árabes, africanos, europeus, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a Liga Árabe, a União Africana, União Europeia, Otan e Organização da Conferência Islâmica.

Com AP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.