Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Aliados reagem com reserva a pedido de ajuda dos EUA

Destacados aliados dos EUA deram uma fria resposta hoje ao pedido dos americanos para separarem tropas e outros apoios militares para uma possível guerra contra o Iraque. Na quarta-feira, um alto assessor do presidente George W. Bush informou que os Estados Unidos haviam contactado dezenas de nações, entre elas o Canadá, Grã-Bretanha e Alemanha, pedindoajuda militar para o caso de Bush decidir atacar o Iraque.A Austrália considerou que ainda é muito cedo para se falar em comprometimento de forças. O Japão não podia nem confirmar sehavia recebido tal pedido de seu maior parceiro militar. A Coréia do Sul, que abriga cerca de 37.000 soldados americanos, afirmou que ainda não havia decidido sobre a questão.A Alemanha, abertamente contrária a Washington em relação ao Iraque, adiantou que estava considerando o pedido dos EUA "coma tendência da não participação" alemã. Os líderes árabes se mantiveram no geral em silêncio.O porta-voz do Ministério do Exterior chinês, Kong Quan, recusou-se a responder diretamente se os EUA haviam feito opedido de ajuda à China. Kong apenas disse que Pequim prefere"uma solução política para a questão iraquiana". Mesmo a Grã-Bretanha, cuja Força Aérea participa ao lado de aviões americanos em ataques nas "zonas de exclusão aérea" nonorte e sul do Iraque, não tinha uma resposta pronta.O secretário da Defesa britânico, Geoff Hoon, confirmou na quarta-feira que os EUA haviam requerido tropas, mas eleacrescentou que seu país ainda não havia tomado uma decisão.Legisladores britânicos vão começar a debater a crise no Iraquena semana que vem no Parlamento.A tevê árabe Al-Jazira divulgou que os EUA contactaram naçõesárabes sobre uma possível ajuda e deram a elas um mês pararesponder. Mas o Egito já teria rechaçado o pedido. Quando perguntado se aliados árabes dos EUA tinha recebido o pedido de ajuda, o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, respondeu: "Os EUA precisam de ajuda? Acredito que não".

Agencia Estado,

21 de novembro de 2002 | 16h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.