Aliança com o Paquistão parecia impossível

Dias terríveis em Islamabad, a capital do Paquistão, o grande país muçulmano situado a leste do Afeganistão. Desde o início da crise, os americanos perceberam que o Paquistão era um elo fundamental na "coalizão anti-Taleban" que os Estados Unidos colocaram de pé. A avaliação dos Estados Unidos estava certa. Mas arregimentar o Paquistão para a "cruzada anti-Taleban" era um alvo ambicioso e quase uma "missão impossível", uma vez que o Paquistão (muçulmano) tinha sido, há poucos anos, o criador e o patrono do poder taleban. No entanto, os americanos conseguiram atingi-lo, o que não foi uma proeza insignificante.O general presidente, Moucharraf, desprezando a opinião pública de seu país (muito favorável aos talebans), fez uma aliança com os Estados Unidos. É verdade que Moucharraf, que jogou aí uma partida muito dura, quase vertiginosa, impôs uma condição para entrar na coalizão "anti-Taleban". Moucharraf não queria que os combatentes da Aliança do Norte (inimigos mortais dos talebans) tomassem o poder em Cabul. Na verdade, a Aliança do Norte é composta por três etnias afegãs (tajique, usbeque e hazaras) que querem destruir a etnia pashtun, ou seja, a etnia que compõe os talebans (e que compõe também uma grande parte da população do Paquistão).O cenário reivindicado pelo general Moucharraf aos americanos foi o seguinte: vencer os talebans, certamente, mas sem permitir que os soldados da Aliança do Norte entrem em Cabul. A Aliança do Norte deveria esperar com paciência às portas de Cabul, aguardando que os americanos colocassem de pé um governo afegão de União nacional, em que estariam representadas, além das três etnias da Aliança do Norte (tajique, usbeque e hazaras), a etnia pashtun (taleban). Infelizmente, as coisas não se passaram assim: a partir do momento em que a Aliança do Norte estourou as tropas dos talebans, dirigiu-se para o sul e tomou Cabul, apesar das ordens que lhes deram os Estados Unidos.Como explicar essa entrada fulgurante da Aliança do Norte em Cabul? Duas hipóteses: ou a Aliança do Norte, na embriaguez de sua vitória, desprezou totalmente as promessas de moderação que fizera aos Estados Unidos. Ou então, os americanos fizeram jogo duplo: publicamente disseram querer evitar que a Aliança do Norte tomasse Cabul. Mas, na prática, não teriam feito nada (e até mesmo, muito pelo contrário) para impedir que a Aliança do Norte entrasse com violência em Cabul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.