Bebeto Matthews/AP Photo
Bebeto Matthews/AP Photo

Aliança de países latinos prevê sanções à Venezuela, mas barra intervenção militar

Com 16 assinaturas a favor e 3 contra, países da região poderão sancionar integrantes do governo de Maduro mesmo sem ter legislação própria para aplicar bloqueios

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2019 | 21h23

NOVA YORK - Os países signatários do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (Tiar) aprovaram nesta segunda-feira, 23, um documento que permite a identificação e sanção de membros do governo de Nicolás Maduro, na Venezuela, vinculados a atividades ilícitas, corrupção ou violações aos direitos humanos.

A resolução foi aprovada por 16 dos 19 países signatários do Tiar. Mais cedo, chanceleres de 11 países haviam assinado um documento que encaminhava a possibilidade da aplicação das sanções.

O texto foi assinado na sede da ONU, na véspera da Assembleia-Geral, por representantes dos governos de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e indiretamente pela própria Venezuela, por meio dos representantes do presidente autoproclamado e líder da oposição, Juan Guaidó

No comunicado, os países manifestaram que estavam dispostos “a adotar novas sanções e outras medidas econômicas e políticas contra o regime de Maduro, orientadas a favorecer o restabelecimento, sem o uso da força, do Estado de direito e da ordem constitucional e democrática na Venezuela”. 

Pressão

O documento faz referência ao encontro realizado no dia 11, quando os chanceleres de 12 dos 19 países signatários do Tiar votaram no Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) a favor da ativação do Órgão de Consultas do grupo, para que uma decisão fosse tomada em relação à Venezuela. 

Na ocasião, havia a suspeita de que o Tiar fosse usado para justificar uma intervenção militar na Venezuela, já que o tratado prevê a ação em países que “coloquem em risco a estabilidade continental”. 

Com a decisão desta segunda, países latino-americanos que não tenham mecanismos para implementar sanções ou banir viagens de servidores venezuelanos poderão aplicar tais medidas para pressionar o governo de Maduro, assim como os Estados Unidos já têm feito há meses. 

O documento condena o que descreve como “reiterados e sucessivos bloqueios do regime ilegítimo e ditatorial de Nicolás Maduro nos processos de negociação com as forças democráticas...para alcançar uma saída política à grave crise que padece este país, mediante a realização de eleições gerais livres, justas e transparentes”. / AP, AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela [América do Sul]Tiar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.