Aliança tenta se antecipar a novos distúrbios

A articulação do CCG para esvaziar a pressão dos manifestantes árabes rendeu ao clube das monarquias uma apelido especial entre tunisianos e egípcios: "Conselho Contrarrevolucionário do Golfo". Segundo analistas ouvidos pelo Estado, a tirada vale também para a decisão da sigla de estender a mão à Jordânia e ao Marrocos, as duas casas árabes que ainda estavam fora do CCG.

, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2011 | 00h00

Oficialmente, o governo marroquino diz-se empenhado em reformar a Constituição e afrouxar o regime - um "modelo marroquino" de saída negociada aos protestos. A adesão ao CCG, garante Rabat, teria apenas caráter econômico, pois países como Catar e Emirados Árabes são grandes investidores no Marrocos.

Nizar Messari, professor da universidade marroquina de Al-Akhawayn, recusa a versão oficial. "Não há dúvida de que o convite do CCG ao Marrocos está ligado à instabilidade da rua árabe", afirma (mais informações na pág. 20). Grande parte da imprensa marroquina viu a adesão como um "retrocesso", diz Messari, especialmente por causa do papel de Riad e Abu Dabi na repressão no Bahrein.

A estratégia do clube do Golfo seria a mesma para a Jordânia. "É preciso ver esses convites a Rabat e Amã como uma ação preventiva. O CCG entendeu que na Tunísia e no Egito agiu tarde demais e agora quer fortalecer os regimes marroquino e jordaniano antes que os protestos possam escalar", diz Mouin Rabani, analista político da Jordânia.

Quando ficou claro que os EUA não bancariam até o fim aliados como o egípcio Hosni Mubarak, o CCG - sob a liderança saudita - passou a exercer uma diplomacia mais assertiva na primavera árabe. "A queda de Mubarak, nesse sentido, foi a "anti-Guerra do Golfo": em 1991, os EUA colocaram-se como último garantidor dos regimes aliados na região, diante da ameaça de Saddam Hussein. Agora, pelo menos por enquanto, Washington deixou de ser vista assim."

Por trás das ações do clube do Golfo, há ainda uma política ativa de contenção da influência do Irã. Aos olhos das monarquias - todas sunitas -, uma dos grandes beneficiárias da primavera árabe é Teerã, que viu cair o inimigo histórico no Cairo e xiitas se insurgirem contra a monarquia sunita no pequeno Bahrein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.