Alitalia indeniza ´intocável´ indiano impedido de viajar ao Brasil

A companhia aérea Alitalia vai indenizar o "intocável" indiano Santraj Maurya, um catador de lixo, que não foi autorizado a embarcar na classe "business" num vôo para Belo Horizonte porque seu perfil "não era o adequado", informou o jornal The Times of India. A Alitalia enviou um pedido de desculpas por escrito a Santraj Maurya, indiano de casta baixa que trabalha com a ONG Chintan, daquele país, dedicada à defesa do meio ambiente. Maurya, escolhido para representar a Chintan, tentou voar para Belo Horizonte no dia 22 de agosto, para comparecer a um congressointernacional de catadores de lixo, organizado por várias ONGs. Apesar de ele ter uma passagem para a classe superior "business", a equipe da Alitalia no aeroporto de Nova Délhi considerou que o "perfil" de Maurya não se encaixava na categoria, por isso não permitiu seu embarque. Lavanya Marla, coordenador da Chintan, disse à imprensa que recebeu uma carta da empresa pedindo desculpas e fazendo uma oferta para Maurya de umvôo "business", ida e volta, a qualquer lugar do mundo, ou três passagens em classe econômica". O trabalhador tem três anos para escolher para onde quer voar. Ele já decidiu que vai ficar com os três bilhetes da classe econômica. "Eu sou um trabalhador, portanto não me importa se mesento num sofá ou numa cadeira. Com os três bilhetes, poderei levar outras duas pessoas que, como eu, nunca teriam pensado em entrar numAvião". Na Índia, trabalhos como cuidar de mortos, do lixo, de latrinas e tudo que implique sujeira são considerados impuros. Apesar da proibição, por lei, das castas, essas tarefas continuam sendo quase exclusivamente feitas por intocáveis, pessoas pertencentes a uma casta considerada impura e que ainda sofrem grande discriminação no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.