Alívio do bloqueio a Gaza 'prejudica' contrabando

Donos dos túneis por onde entram comida e eletrodomésticos fazem liquidação às pressas

AFP, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2010 | 00h00

Contrabandistas da fronteira de Rafah, na Faixa de Gaza, liquidam seus estoques, temendo que a chegada das primeiras mercadorias para "uso civil" derrube os preços de TVs, geladeiras e lavadoras de pratos ? arrastados por centenas de metros pelos túneis sob a fronteira egípcia.

"Uma caixa de refrigerante por apenas 20 shekels (R$ 9)!", gritava segunda-feira Abu Hassan, de 54 anos. Antes, ele as vendia a 30 shekels cada. "Se os refrigerantes israelenses entrarem antes que eu venda meu estoque perderei muito", disse.

Mais de 150 morreram por deslizamentos nos túneis. Em junho de 2006, Israel e Egito proibiram a entrada em Gaza de artigos que não fossem gêneros de primeira necessidade.

No domingo, Israel decidiu liberar tudo o que não possa ser utilizado pelo Hamas para fabricar armas.

Palestinos ficariam felizes com o fim dos túneis porque eles paralisaram a economia formal. Os israelenses também, porque o Hamas os utiliza para levar armas para Gaza. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.