Alkatiri quer adiar depoimento sobre seu envolvimento em esquadrão da morte

O ex-primeiro-ministro timorense, Mari Alkatiri, pediu um adiamento de sua audiência com os promotores que investigam seu suposto envolvimento na criação de um esquadrão da morte para eliminar seus adversários políticos. Alkatiri, que foi citado para comparecer como testemunha noprocesso contra o ex-ministro do Interior, Rogério Lobato, apresentou sua reivindicação numa carta ao promotor-geral Longuinhos Monteiro, informou nesta sexta-feira a rádio australiana ABC. O ex-primeiro-ministro destacou na carta que quer participar do processo, mas afirmou que seus advogados ainda não chegaram ao país. O ex-guerrilheiro Vicente da Conceição acusou Lobato e Alkatiri de fornecer armas a um grupo para matar os rivais políticos do ex-primeiro-ministro. Lobato, Rodrigues e Alkatiri foram acusados de tentar criar uma polícia capaz de lutar contra o Exército do país e de envolvimento no assassinato, em 25 de maio, de 12 policiais. Os partidários de Alkatiri entregaram um documento ao presidente Xanana Gusmão, pedindo que anule a renúncia doex-primeiro-ministro. Xanana ouviu os pedidos e as críticas dos seguidores de Alkatiri e recomendou calma num discurso pela TV, dirigido a toda a nação. Segundo a agência de notícias australiana AAP, durante a noite passada novos incêndios foram ateados em várias casas de Díli, apesar da forte presença das forças de segurança estrangeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.