Allawi promete volta do "império da lei"; igrejas atacadas

Horas depois de os EUA iniciarem o ataque a Faluja, o primeiro-ministro interino iraquiano, Ayad Allawi, apresentou os detalhes do estado de emergência anunciado no Domingo.Medidas de emergência no IraqueAs medidas de exceção terão a duração de 60 dias;A lei dá o governo o poder de aplicá-las em todo o país, exceto as três províncias curdas no norte;Ao anunciar as medidas, o governo deu a entender que elas serão adotadas primeiro em Faluja e na vizinha Ramadi;Faluja e Ramadi foram postas sob toque de recolher, que começa no pôr-do-sol;Todas as estradas e instituições governamentais nessas duas cidades foram fechadas. Os únicos serviços públicos abertos serão os emergenciais;Ninguém poderá carregar armas;O país fechou as fronteiras com a Síria e Jordânia, exceto para caminhões carregando alimentos e outros produtos básicos.O Aeroporto Internacional de Bagdá ficará 48 horas fechado.Fonte: AP Allawi também disse ter dado o sinal verde para a ofensiva dos marines americanos, em conjunto com tropas iraquianas. "O império da lei será restaurado muito em breve", afirmou. No início da noite, duas igrejas católicas foram atacadas quase simultaneamente com carros-bomba no sul de Bagdá, matando pelo menos três pessoas e ferindo 52. Desde outubro seis igrejas foram atacadas com bombas, numa estratégia para intimidar a pequena comunidade cristã iraquiana, de 700 mil pessoas.Logo pela manhã, outras três pessoas morreram num atentado com carro-bomba, lançado por um atacante suicida contra um posto de controle militar na estrada que conduz ao aeroporto de Bagdá. Um soldado americano morreu num ataque rebelde a leste da capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.