Almirante Massera, figura-chave na repressão da ditadura, morre aos 85 anos

ARGENTINA

, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2010 | 00h00

O almirante da reserva argentino Emilio Massera (foto), considerado o cérebro do plano repressor montado pelas Forças Armadas durante a ditadura na Argentina (1976-83), morreu ontem aos 85 anos de hemorragia cerebral. Massera, que estava em prisão domiciliar, tinha sido condenado pelas mortes e torturas cometidas durante a chamada Guerra Suja. Alemanha, Espanha, França e Itália tinham pedido a extradição de Massera pelo assassinato de seus cidadãos no regime militar, mas suspenderam as ordens de prisão depois que um tribunal argentino o declarou, em 2005, mentalmente incapaz de enfrentar um julgamento, após ele sofrer um derrame em 2002. As atrocidades cometidas sob o comando de Massera foram evidenciadas por meio do testemunho de centenas de sobreviventes durante o histórico julgamento de 1985, quando ele foi condenado à perpétua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.