Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Aloysio Nunes critica visita de Pompeo a Roraima: 'vassalagem a um presidente-candidato'

Ex-ministro das Relações Exteriores questionou a 'montagem de palanque' para o discurso de Donald Trump

André Marinho, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2020 | 14h52

Ex-ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes criticou a visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, a Roraima. Em publicação no Twitter, o ex-senador defendeu que a política externa do Brasil deve ser pautada pelo interesse nacional. "É o caso de perguntarmos o que nos acrescenta a montagem de um palanque eleitoral para um discurso provocativo de interesse exclusivo de Donald Trump", escreveu.

Nunes argumentou que o País deve cultivar relações positivas com parceiros, baseado na reciprocidade com os EUA, "o que é muito diferente de vassalagem a um presidente-candidato". O tucano revelou ainda que, quando o vice-presidente americano, Mike Pence, quis ir a Roraima para visitar refugiados venezuelanos, enquanto ainda estava à frente do Itamaraty, ele não permitiu. "Ofereci como alternativa a visita a instituições filantrópicas de acolhida em Manaus", relatou.

A crítica do ex-chanceler acontece um dia depois de o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também reagir negativamente à visita de Pompeo. Para Maia, a viagem "não condiz com a boa prática diplomática internacional e afronta as tradições de autonomia e altivez de nossas políticas".

Neste sábado, o Itamaraty reagiu às críticas de Maia. Para o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, quem se preocupa com a parceria do governo brasileiro com a Casa Branca nessa questão é “quem teme a democracia”. Na avaliação de Araújo, o povo brasileiro "tem apego profundo pela democracia e o regime do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, trabalha permanentemente para solapar a democracia em toda a América do Sul".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.