Nirajan Shrestha/AP
Nirajan Shrestha/AP

Alpinistas do Monte Everest enfrentam surto de covid-19 no acampamento

Três equipes de expedição já cancelaram as atividades da temporada após aumento no número de casos positivos

Redação, O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2021 | 02h44

KATHMANDU - Com poucos dias restantes para o final da temporada de escalada do Monte Everest, centenas de alpinistas correm contra o tempo para alcançar o topo da montanha mais alta do mundo. Porém, além das condições desafiadoras, eles também enfrentam outra dificuldade: um surto de covid-19 no acampamento base.

Neste mês, três equipes de expedição cancelaram a escalada por conta do crescente número de casos, mas outras 41 equipes decidiram continuar, com centenas de alpinistas e guias em busca de alcançar o cume da montanha de 8.849 metros de altitude. A temporada deve ser encerrada ainda em maio por conta de condições climáticas.

Operadores da expedição e autoridades nepalesas confirmam os casos, mas indicam que nenhum deles é grave. O Monte Everest é um dos maiores atrativos turísticos da região e vem de um ano sabático por conta da pandemia.

O primeiro caso foi confirmado em abril, quando um alpinista norueguês testou positivo no acampamento base. Ele foi transportado de helicóptero até Kathmandu, onde recebeu tratamento antes de voltar para o país de origem.  A China cancelou na semana passada a escalada de seu lado do Everest devido a temores de que o vírus pode se espalhar do Nepal.

A temporada de escalada foi acompanhada por um aumento de casos de covid-19 no Nepal, com números recordes de infecções e mortes diárias. Na sexta, o Nepal registrou 6.951 novos casos confirmados e 96 mortes. Desde o início da pandemia, já são 549.111 casos e 7.047 mortes no país./AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.