AFP
AFP

Alto funcionário do regime norte-coreano viaja para os Estados Unidos

O vice-presidente do Comitê Central do partido único norte-coreano aterrissou nesta terça em Pequim, onde reservou um voo para quarta-feira, 30, tendo Nova York como destino

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 05h14

SEUL - Kim Yong-chol, um peso pesado do regime da Coreia do Norte, se dirige aos Estados Unidos para provavelmente tratar dos detalhes da cúpula entre os dois países previstos para o dia 12 de junho em Cingapura, segundo informou nesta terça-feira, 29, a agência de notícias sul-coreana "Yonhap".

O vice-presidente do Comitê Central do partido único norte-coreano aterrissou nesta terça em Pequim, onde reservou um voo para quarta-feira, 30, tendo Nova York como destino, segundo "Yonhap", com a possível intenção de se reunir com o secretário de Estado, Mike Pompeo, e inclusive com o presidente Donald Trump.

Nenhum oficial norte-coreano de tão alta escalão visitou os EUA desde o militar Jo Myong-rok, em 2000, que viajou para se reunir com o então presidente Bill Clinton.

Kim Yong-chol, que também é diretor do poderoso Departamento da Frente Unida e tem grandes competências em inteligência e poderes estrangeiros, é uma das figuras da Coreia do Norte.

+ Coreia do Norte e EUA tentam salvar cúpula

+ Análise: Um presidente imprevisível para uma política incerta 

Conforme detalhado pela agência sul-coreana a partir das listas de passageiros consultados, Kim e seu grupo reservaram um voo para Washington nesta terça, mas o mudaram por outro, para Nova York, que parte às 13h (hora local, da China) de quarta-feira.

Embora Donald Trump tenha chegado a cancelar oficialmente a cúpula na última quinta-feira, 24, o presidente norte-americano se retratou após uma troca de mensagens conciliadoras com Pyongyang, devolvendo a esperança de que a reunião, que seria a primeira na história de líderes dos EUA e Coreia do Norte, possa finalmente acontecer. /EFE

+ Presidente chinês pede a Trump que dialogue o quanto antes com Coreia do Norte

+ As perguntas que surgem após anúncio do encontro de Trump e Kim

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.