AP Photo / Emilio Morenatti
AP Photo / Emilio Morenatti

Aluno é suspeito de matar professor em escola de Barcelona

Outras quatro pessoas ficaram feridas; jovem, de 13 anos, foi levado a um hospital para exames psiquiátricos

O Estado de S. Paulo

20 de abril de 2015 | 12h50

Um jovem espanhol de 13 anos armado com uma balestra (arma branca também conhecida como besta) e um punhal matou um professor substituto e feriu quatro pessoas em sua escola em Barcelona nesta segunda-feira, segundo a polícia.

O ataque ocorreu pouco depois das 9h30 (hora local), na escola de ensino médio Joan Fuster, no bairro de classe trabalhadora de Navas, em Barcelona. Ataques desse tipo em escolas são extremamente raros na Espanha.

"Nós havíamos acabado de começar a aula e de repente ouvi gritos", afirmou a estudante Gemma Jarque. "Então nos trancamos em nossa classe para estar em segurança."

Uma porta-voz da polícia regional disse que o garoto tinha uma balestra e um punhal, mas não soube precisar qual das armas matou o professor.

O garoto foi levado a um hospital para exames psiquiátricos, segundo José Miguel Company, porta-voz do escritório da promotoria de Barcelona. "Ele estava muito perturbado e dizendo coisas estranhas e incoerentes", disse Company. O porta-voz disse que o exame buscará determinar se o jovem tem problemas psicológicos ou se estava fingindo.

"Nós vimos o professor caído no solo em uma piscina de sangue", contou Gemma. Outra aluna, Paula Amayuelas, disse que conhecia o suspeito e que ele "não tinha problemas, mas era um tipo solitário", alvo de brincadeiras dos colegas.

Os dois estudantes feridos e um dos professores foram levados para hospitais de Barcelona para tratamento. Outro docente ferido foi tratado no local e não necessitou de hospitalização.

Os estudantes disseram que o professor morto era um substituto, de Ciências Sociais, e estava trabalhando no local havia cerca de uma semana. A polícia não identificou o suspeito por sua idade./AP

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhaescolaataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.