REUTERS/Peter Kramer/NBC/Handout
REUTERS/Peter Kramer/NBC/Handout

Amanda Knox retornará à Itália pela primeira vez após absolvição

Informação é do jornal 'Dubbio'; participação será em congresso sobre processos jurídicos e

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2019 | 21h58

PERÚGIA- A jornalista e escritora americana Amanda Knox, pivô de um dos mais célebres casos policiais da Itália neste século, voltará ao país pela primeira vez depois de ter sido absolvida. Segundo o jornal Il Dubbio, Knox aceitou um convite para participar da primeira edição do Festival de Justiça Penal, em Modena. 

A americana participará de um debate sobre a cobertura midiática de processos penais e deve relatar sua experiência com a Justiça e a imprensa italianas. "O sentido de organizar um evento desse tipo é analisar o objetivo de derrotar o populismo judiciário", explicou ao Dubbio o presidente da Câmara Penal de Modena, Guido Sola, organizador do festival, que ocorre nos dias 14 e 15 de junho.     

O convite à americana foi feito pela associação Italy Innocence Project, que se ocupa de processos judiciários de pessoas condenadas injustamente e depois absolvidas. "Seu caso foi analisado pela imprensa de modo quase patológico. Queremos ouvi-la sobre como sua imagem foi passada e recebida pela opinião pública", disse Martina Cagossi, integrante do projeto. 

Segundo o Dubbio, entre os temas que a organização aponta para debates com enfoque na participação de Knox estão: os erros atuais do judiciário, histórias de inocentes no cárcere, jornalismo e justiça, DNA e inteligência artificial no processo penal, dentre outros.  

O caso  

Knox foi acusada pelo homicídio da estudante britânica Meredith Kercher, ocorrido em 1º de novembro de 2007, em Perúgia, onde ambas estudavam e dividiam uma casa. O corpo da jovem foi encontrado degolado, seminu e com uma série de feridas.  

Ao lado do marfinense Rudy Guede, único condenado em definitivo pelo crime, Knox e seu então namorado, o italiano  Raffaele  Sollecito, foram acusados de matar Kercher em meio a discussões sobre a limpeza da casa e jogos sexuais que fugiram do controle.  

O ex-casal chegou a ser sentenciado após o DNA da americana ter sido encontrado em uma faca com o sangue da vítima e ficou preso até 2011, quando a Corte de Cassação, tribunal supremo do país, anulou o processo por falhas na perícia.     

No mesmo dia em que foi libertada, a americana voltou para a casa de sua família, em Seattle, e nunca mais pisou na Itália. Em 2013, a Corte de Cassação determinou a reabertura do caso, já que a inocência dela e de Sollecito não tinha sido comprovada, culminando em uma sentença condenatória do Tribunal de Apelação de Florença em janeiro do ano seguinte.     

Contudo, a decisão foi novamente derrubada pela Corte de Cassação, que não viu indícios de participação de Knox e Sollecito no assassinato e os absolveu em definitivo. Já Guede foi condenado por ter invadido a casa e matado Kercher. /ANSA 

Tudo o que sabemos sobre:
Amanda KnoxItália [Europa]homicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.