Ambientalista africana recebe o Nobel da Paz

A primeira mulher africana a conquistar o Prêmio Nobel da Paz recebeu a honra nesta sexta-feira, ao som de tambores e danças que quebraram o clima austero da cerimônia. Wangar Maathai, do Quênia, pediu que a audiência "abrace toda a Criação em toda a sua diversidade, beleza e maravilha". Maathai alertou que, se o ambiente não for protegido, a paz continuará para sempre em perigo."Hoje, enfrentamos um desafio que pede uma mudança em nossa forma de pensar, para que a humanidade pare de ameaçar seu sistema de suporte de vida", disse ela. "Somos convocados a ajudar a Terra a curar suas feridas e, no processo, curar as nossas", disse a ambientalista de 64 anos, ao receber a medalha de ouro, o diploma e o prêmio de US$ 1,5 milhão.Vice-ministra de Ambiente no governo do Quênia, Maathai conquistou fama mundial com a campanha contra o desflorestamento que levou ao plantio de 30 milhões de árvores na África. Ao conceder-lhe o prêmio, o comitê Nobel "desafia o mundo a ampliar o conceito de paz: não pode haver paz sem desenvolvimento eqüitativo; e não pode haver desenvolvimento sem a administração sustentável do ambiente num espaço pacífico e democrático", disse ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.