Ambulâncias atendem quem exagera no ecstasy em NY

As discotecas de Nova Yorkcomeçaram a se equipar com ambulâncias de serviços privados,muito mais discretas que as oficiais, para atender os casos desuperdose de ecstasys e evitar, assim, a presença de policiais. Com uma ambulância estacionada na porta de entrada, aocontrário, quando alguém exagerar na quantidade de pílulas deecstasy e passar mal, basta transportar a pessoa até um hospitale abandoná-la na sala de emergência. O objetivo é evitar umachamada ao 911 (número para emergências) e, consequentemente, asperguntas da polícia. A difusão do fenômeno fez acender o sinal de alarme sobre aescassa preparação do pessoal das ambulâncias privadas, quetransportam os jovens aos hospitais sem dar os primeirossocorros. O hospital nova-iorquino St. Vincent, que é o que mais atendepessoas com superdose da droga, já denunciou a situação àJustiça, que abriu investigação para apurar o serviço privado deambulância. Para o vice-prefeito de Nova York, Rudy Washington, queafirmou ter ficado escandalizado com este fenômeno, apenas apresença de uma ambulância na porta de uma discoteca "já émotivo suficiente para justificar o fechamento dos locais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.