Ameaça de atentado é "séria", diz secretário de defesa dos EUA

O secretário da Defesa, Donald H. Rumsfeld, qualificou hoje como "séria" a ameaça de um ataque terrorista de grandes proporções contra os Estados Unidos neste fim de ano, enquanto em outras partes do mundo forças de segurança, principalmente na Europa, adotavam regime de alerta máximo na véspera do Natal."Você indaga se a ameaça é séria? Pode apostar nisso", insistiu durante entrevista o chefe do Pentágono ao justificar as rigorosas medidas de segurança adotadas pelo governo americano, que incluem um alerta geral laranja - de alto grau.Por sua vez, o Departamento de Estado dos EUA lançou advertência especial aos cidadãos americanos que estão em países árabes do Golfo Pérsico. Interesses americanos ali podem ser alvos de terroristas. Os americanos devem evitar lojas, restaurantes e outros locais públicos freqüentados por estrangeiros.Segurança no mundoA polícia turca reforçou a vigilância em torno de empresas e bancos de Istambul, onde no início de novembro morreram 62 pessoas em vários atentados. As autoridades policiais japonesas colocaram as comunidades islâmicas sob observação, temendo ataques. A medida é conseqüência, em parte, das ameaças feitas no mês passado pela Al-Qaeda - rede terrorista de Osama bin Laden -, de que o Japão seria alvo de "grande represália" se insistisse em colaborar com as forças anglo-americanas de ocupação do Iraque.Alertado pelo FBI, o governo filipino reforçou a guarda em torno da Embaixada americana em Manila. Na Indonésia, as autoridades estão de prontidão. Na capital americana, o Pentágono anunciou uma ampla operação de patrulhamento aéreo de áreas do país consideradas sensíveis, como a própria sede, a Casa Branca, o Capitólio, usinas nucleares, hidrelétricas, refinarias de petróleo e outras plantas de infra-estrutura vitais.Além do patrulhamento aéreo, os militares americanos instalaram um cinturão de mísseis terra-ar em pontos estratégicos de Washington e também de Nova York. Departamento de Segurança Interna adotou um rígido esquema de vigilância nos aeroportos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.