Ameaça de atentado faz americanos correrem aos supermercados

A população norte-americana correu aos supermercados neste sábado para comprar garrafas de água mineral e remédios logo que o governo elevou o nível de alerta para um possível ataque terrorista. A imprensa noticiou que aumentou o movimento nos centros comerciais para a aquisição de alimentos e medicamentos depois que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, mudou o nível de alerta da cor amarela para laranja ? que indica que há ?perigo muito alto? de que ocorra um novo atentado.O armazenamento de bens de primeira necessidade seguiu as recomendações do secretário da Segurança Interna, Tom Ridge, que divulgou diretivas para sobreviver a ataques com armas químicas, biológicas o radiativas ? que, além de alimentos não-perecíveis e água engarrafada, também inclui a utilização de máscaras antigás. Hoje, nas principais cidades norte-americanas, já começaram a entrar em funcionamento as medidas de contingência para prevenir os atentados. Aeroportos, metrôs, hotéis, pontes de acesso às cidades e locais públicos estão sob forte vigilância, com medidas que incluem até a revista a veículos e transeuntes.Ao anunciar o ?alerta laranja?, o procurador-geral da República, John Ashcroft, disse que os telefonemas interceptados, de suspeitos de integrar a rede terrorista Al Qaeda, revelaram que qualquer local de importância econômica, qualquer serviço de transporte ou de energia, e qualquer ?símbolo do poderio americano? poderá ser atacada.Nova York, rica em todos esses quesitos, é um alvo privilegiado. O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, e o governador do Estado de Nova York, George Pataki, acionaram a Guarda Nacional e forças estaduais para vigiar pontes, túneis, metrô e prédios públicos. O turismo também será afetado. ?É preciso ser paciente, é preciso ser compreensivo?, disse a diretora do escritório de turismo de Nova York, Cristyne Nicholas. ?Se nos pedirem para mostrar a chave do quarto do hotel ou um documento de identidade, é para o bem da cidade.?Nas fronteiras, máquinas de raio X são empregadas na vistoria de veículos e todos os pedestres sofrem revistas computadorizadas. Eventos esportivos só serão realizados com uma operação de segurança especial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.