Ameaça de bomba em porto de Miami era alarme falso

Um esquadrão antibomba da polícia de Miami detonou uma caixa com equipamentos que embarcaria em um navio de cruzeiro no porto da cidade nesta segunda-feira, mas informou que se tratou de um alarme falso e que nenhum explosivo foi encontrado.Parte dos equipamentos que estavam na caixa continham um produto químico que acionou o alarme quando a caixa passou por um instrumento de varredura, disse o detetive da polícia de Miami, Robert Williams.Inicialmente a Guarda Costeira informou que os testes mostraram traços do explosivo C-4, usado em demolições e para fins militares. Essa informação estava incorreta e "eles estão absolutamente aliviados", disse a oficial da Guarda Costeira, Jennifer Johnson.A caixa seria embarcada no cruzeiro Majestade dos Mares, da empresa Royal Caribbean, um navio que comporta 2.744 passageiros.A polícia levou a caixa para um local afastado e a detonou por precaução. O embarque dos passageiros foi suspenso até que a polícia desse seu aval para que ele prosseguisse.A Royal Caribbean disse em comunicado que analisa toda a bagagem dos passageiros de seus cruzeiros com máquinas de raio-x, detectores de metal, cães farejadores e outros métodos.Foi o segundo incidente do porto em dois dias. No domingo, a polícia prendeu um caminhoneiro e dois passageiros que tentaram entrar no porto sem identificação adequada.Uma força-tarefa antiterror, composta por agências federais e locais, foi alertada, mas os investigadores concluíram que nem os homens nem sua carga, de aparelhos eletrônicos automotivos, representavam uma ameaça.O motorista e seu irmão, ambos iraquianos, e o outro passageiro, libanês, foram interrogados e detidos por invasão e por resistir a prisão sem violência, acusações posteriormente retiradas. A polícia atribuiu o incidente a uma "falha de comunicação" entre o motorista e os guardas portuários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.