AFP PHOTO / SAUL LOEB
AFP PHOTO / SAUL LOEB

Ameaça de bomba esvazia sala de imprensa da Casa Branca

O local foi esvaziado durante uma entrevista diária do porta-voz; em outro episódio, dois prédios do Senado também foram esvaziados após uma ameaça semelhante 

O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2015 | 16h12

WASHINGTON  - Uma ameaça feita por telefone de que havia uma bomba na sala de imprensa da Casa Branca, nos EUA, fez com o que local fosse esvaziado nesta terça-feira, 9, durante uma entrevista diária do secretário de Imprensa, Josh Earnest. Um agente do Serviço Secreto entrou e instruiu todos os jornalistas a saírem. 

Um cão do Serviço Secreto inspecionou a sala. Repórteres foram transferidos a outro prédio no complexo da Casa Branca, mas retornaram à sala de imprensa depois que nada foi encontrado. 

Earnest disse, em sua conta no Twitter: "A... comunicação diária será retomada em breve depois de a sala de imprensa Brady ser esvaziada", escreveu ele.

Capitólio. Ainda nesta terça-feira, autoridades investigaram relatos de pacotes suspeitos e uma ameaça de bomba por telefone em dois edifícios do Senado americano, mas não encontraram nada perigoso, informou a polícia do Capitólio.

A porta-voz Kimberly Schneider disse que a polícia fez buscas em uma sala no edifício Dirksen e no pátio do prédio Russell, ambos perto do Capitólio dos EUA, e não encontrou nada problemático.

Parte do Dirksen foi esvaziada após a polícia do Capitólio receber uma ameaça de bomba por telefone, e a polícia investigava um relato de que havia um pacote suspeito naquele prédio. Os dois edifícios abrigam vários gabinetes de senadores e de seus funcionários, além de salas de audiências.

O episódio interrompeu uma audiência no Senado sobre o órgão responsável pela segurança nos aeroportos."A ameaça foi determinada como falsa", disse o senador republicano Ron Johnson, que voltou ao gabinete. / REUTERS 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAWashingtonCasa BrancaCapitólio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.