Ameaça de inflação após unificação preocupa analistas

O fim da dualidade monetária anunciada ontem pelo governo cubano preocupa analistas ouvidos em Miami. Trata-se de um processo de "unificação" da moeda que deverá produzir uma "inflação enorme", principalmente logo após a adoção da medida, afirmou Jaime Suchlicki, diretor do Instituto de Estudos Cubanos e Cubano-Americanos da Universidade de Miami.

O Estado de S.Paulo - EFE

23 de outubro de 2013 | 02h15

Ele manifestou suas dúvidas quanto à capacidade do Estado cubano de controlar os preços e evitar uma disparada da inflação. Ele qualificou a medida como "difícil, perigosa para o regime e negativa para a população".

Sem mencionar um cronograma, a nota oficial cubana indica que "será iniciado o processo de unificação monetária para pessoas jurídicas e físicas". Segundo Suchlicki, uma autêntica transformação implicaria "abrir a economia e permitir que o cidadão cubano fosse dono de empresas e pudesse negociar com companhias estrangeiras e exportar". Ele reconhece que "era preciso acabar" com a moeda dupla e entrar num processo de unificação monetária, mas pondera que "essas decisões são políticas, e não econômicas".

Para Jorge Duany, diretor do Instituto de Investigación Cubana da Universidade Internacional da Flórida, o funcionamento "indefinido" da dualidade monetária "era uma situação insustentável" e contribuía para causar "desequilíbrios muito grandes". Para ele, é provável que esse processo de unificação monetária "iguale a situação socioeconômica para todo mundo e termine com esse apartheid de desigualdade em razão da dualidade monetária na ilha", diz. "Trata-se de uma medida necessária, embora deva causar inicialmente insegurança e deficiência. Sua finalidade é corrigir um pouco a situação financeira do país", concluiu.

Andy Gómez, ex-professor da Universidade de Miami, afirmou que o anúncio do processo é um "passo importante" e "positivo" e tem origem nas reformas econômicas que o governo cubano criou para tirar a economia de seu estado de prostração. O problema, destacou o atual assessor do escritório de advocacia Poblete Tamargo, é que o Estado cubano "carece de estrutura" para implementar essa reforma. Ele destacou que "sem investimentos estrangeiros a economia cubana não poderá tomar o caminho do crescimento". Isso será um simples "paliativo para uma ferida de uma dimensão muito profunda", afirmou.

TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.