Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Ameaça de terror nuclear persiste, diz diretor da AIEA

Para Yukio Amano, maior ameaça seria uma 'bomba suja', que poderia causar pânico e problemas econômicos

AE, Agência Estado

28 de setembro de 2012 | 16h48

NOVA YORK - O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukio Amano, alertou nesta sexta-feira, 28, que a ameaça de terrorismo nuclear não diminuiu, ao dizer que o principal risco é que um grupo terrorista detone uma chamada "bomba suja" que contamine uma metrópole em qualquer lugar do mundo.

 

Veja também:

linkObama e Netanyahu garantem unidade contra programa nuclear do Irã

linkDesenho de bomba de Netanyahu foi feito para criar impacto

 

Amano disse, às margens da 67ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que uma "bomba suja" - explosivo forte que usa material radioativo ou até nuclear - não teria o efeito destruidor de uma bomba atômica, mas poderia levar ao pânico em massa e a um sério problema econômico.

 

"Nós precisamos manter a máxima vigilância sobre os materiais, usinas e instalações nucleares", disse Amano. Segundo ele, mais de 2,2 mil incidentes foram registrados pela base da dados da AIEA desde 1995 - entre eles, incidentes de tráfico ilícito de combustível e equipamentos nucleares.

 

O diretor da AIEA defendeu uma ação urgente para que a Convenção sobre a Proteção Física de Materiais Nucleares entre em vigor o mais rápido possível em todos os países. A Convenção foi assinada em 2005 mas não foi ratificada.

 

Atualmente, apenas a segurança de material nuclear no transporte internacional está garantida. A emenda de 2005 expandirá a cobertura para o transporte, armazenagem e uso doméstico do material e combustível nucleares dentro dos países signatários.

 

Dos 2,2 mil incidentes registrados desde 1995, pelo menos 400 envolviam o contrabando de material radioativo e nuclear.

 

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
ONUnuclearAIEAYukio Amanobomba suja

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.