Ameaça terrorista fecha embaixada dos EUA na Bósnia

A embaixada dos Estados Unidos em Sarajevo suspendeu todas as operações nesta sexta-feira, dois dias após ter fechado para o público depois de receber um aviso de uma possível ameaça terrorista, afirmou um funcionário da embaixada. A embaixada reduziu suas operações na quarta-feira e fechou seus serviços públicos.?Novas informações foram recebidas, relacionadas a um relatório de segurança realizado anteriormente, o que nos levou a tomar mais medidas de precaução e fechar inteiramente a embaixada", disse a porta-voz Karen Williams. "Estamos reavaliando a situação e vamos reabrir quando for apropriado", declarou ela. Não foram revelados outros detalhes sobre a natureza da ameaça.As embaixadas dos EUA e da Grã-Bretanha ficaram fechadas por vários dias em outubro, por causa de ameaças terroristas. Ambas foram reabertas depois que a polícia bósnia prendeu seis argelinos que eram suspeitos de planejar ataques após 11 de setembro contra interesses norte-americanos no país e em outros lugares.Os suspeitos foram entregues às autoridades norte-americanas, em janeiro, e estão sendo mantidos na base da Baía de Guantanamo, em Cuba. Cinco dos seis detidos eram funcionários humanitários, um deles suspeito de trabalhar como lugar-tenente de Osama bin Laden na Europa. Depois das prisões, o governo bósnio ordenou uma investigação sobre o trabalho das agências humanitárias estrangeiras. Duas semanas atrás, os investigadores revelaram que os fundos de três organizações islâmicas de caridade haviam sumido.Na terça-feira, a polícia bósnia fez uma incursão numa dessas três organizações, Futuro Ideal Bósnio, formalmente conhecida como Fundação Internacional Benevolentia. Uma declaração da polícia disse que alguns funcionários da organização estavam realizando atividades que não eram relacionadas ao trabalho humanitário. Não foram revelados mais detalhes.O jornal Oslobodjenje, de Sarajevo, informou hoje que a polícia não pôde encontrar uma ligação direta entre a organização de caridade e os grupos mundiais de terrorismo, embora eles tenham supostamente encontrado "vários documentos secretos relacionados à segurança do Estado". Os documentos continham indicações de que o atual chefe da organização, cujo nome não foi revelado, foi treinado num campo na Bósnia dirigido pelo Irã, após a guerra entre 1992 e 1995, afirmou o jornal. Os soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) fizeram uma busca no campo em 1996 e o fecharam. Os documentos confiscados então continham, aparentemente, um plano para assassinar um dos líderes oposicionistas da Bósnia e uma lista de nomes daqueles que foram treinados no campo, além de os nomes de seus instrutores iranianos, informou o Oslobodjenje. Também foram encontrados vários documentos falsos, levando a polícia a suspeitar que a organização de caridade estava envolvida em falsificar documentos, afirmou o relatório.Mais de 1 milhão de muçulmanos vivem na Bósnia, incluindo centenas de combatentes islâmicos, ou mujahedeen. A maioria deles veio do Oriente Médio para lutar do lado muçulmano na guerra contra os sérvios e os croatas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.