Ameaça terrorista na Europa permanece vigente, dizem EUA

Departamento de Estado americano não vê razões para redução de nível do alerta contra ataques

Associated Press

14 de outubro de 2010 | 09h40

LONDRES - O coordenador da divisão antiterrorismo do Departamento de Estado dos EUA disse nesta quinta-feira, 14, que um suposto plano de militantes para atacar as principais capitais da Europa ainda está ativo e, por isso, não há razão para reduzir o nível do alerta contra atentados.

 

Daniel Benjamin, do Departamento de Estado americano, disse a jornalistas em Londres que a posição de Washington permanecia a mesma. "Não vemos condições para reduzir o alerta", disse o americano. Atualmente, o nível do alerta no Reino Unido é "severo", o que significa que a probabilidade de ocorrer um ataque é bem alta.

 

No início do mês, o Departamento de Estado alertou os cidadãos americanos viajando ou vivendo na Europa para tomarem mais precauções com sua segurança pessoal depois de surgirem informações de que os terroristas estariam planejando atacar o a Europa.

 

No fim de setembro, a Alemanha anunciou que a organização terrorista Al-Qaeda planejava ataques terroristas simultâneos em Paris, Londres e Berlim. O plano seria real e estaria ativo, mas sua execução não seria iminente.

 

A advertência foi feita após a revelação de que extremistas pretendiam voltar a atacar a Europa e os EUA, em uma estratégia semelhante à adotada na Índia em novembro de 2008. A fonte da informação sobre o plano terrorista seria o alemão Ahmed Siddiqui, 36 anos, um extremista do Movimento Islâmico do Usbequistão (MIU) preso em Cabul, no Afeganistão, e hoje detido na Base de Bagram, controlada pelos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
TerrorismoEuropaalerta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.