Carlos Garcia Rawlins/ Reuters
Carlos Garcia Rawlins/ Reuters

Ameaçada de perder mandato, líder antichavista promete 'não se calar'

Chavistas usam maioria na Assembleia para começar processo contra parlamentar na Justiça

O Estado de S. Paulo,

19 de março de 2014 | 10h17

CARACAS - Depois de a Assembleia Nacional da Venezuela ter aprovado na noite da terça-feira, 18, uma moção para registrar na procuradoria-geral um processo para a retirada de sua imunidade parlamentar, a deputada opositora María Corina Machado prometeu que "não ficará calada" frente às ameaças do chavismo.

"Se acreditam que me ameaçando e 'pavimentando' a minha imunidade irão me calar, não me conhecem", escreveu em sua conta no Twitter uma das líderes dos protestos contra o presidente Nicolás Maduro. "Os venezuelanos me elegeram deputada para ser sua voz na Assembleia Nacional e para acompanhar suas lutas nas ruas. É o que tenho feito e o que seguirei fazendo."

Os chavistas, que possuem maioria na assembleia, acusam María Corina  de desobediência civil e de se esforçar para desestabilizar o governo. A proposta foi apresentada pela chavistas Tanía Díaz, que exibiu vídeos e documentos para reforçar seu argumento.

A moção foi aprovada por maioria simples e as provas já foram enviadas à procuradoria-geral para que o órgão determine se existem elementos suficientes para solicitar ao Supremo Tribunal de Justiça a continuidade do processo para retirar a imunidade.

O presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, declarou em rede de televisão que ela será julgada por assassinato, terrorismo, delitos contra a humanidade, conspiração e desestabilização do país. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.