Ameaças à Rússia são mais sérias hoje do que na Guerra Fria, diz ministro

O ministro da Defesa russo, Sergei Ivanov, disse nesta sexta-feira que as ameaças enfrentadas por Moscou durante a Guerra Fria eram "brincadeira de criança" comparadas às que o país enfrenta hoje, incluindo a proliferação de armas de destruição em massa. Dois dias depois que o presidente Vladimir Putin salientou a necessidade de uma proteção militar mais intensa para a Rússia, Ivanov foi citado pela agência ITAR-Tass dizendo que os "terroristas estão fazendo tudo o que podem para ter acesso a armas de destruição em massa". As ameaças de hoje "são mais significativas do que as da Guerra Fria", disse o ministro. Ivanov reiterou que a Rússia continuará fortalecendo suas potencialidades de armas nucleares. "A Rússia precisa de forças nucleares modernas e estratégicas. Nós iremos não só preservar nossa tríade nuclear, como melhorá-la", afirmou Ivanov referindo-se aos mísseis terrestres estratégicos, aviação de longo alcance e submarinos nucleares, segundo a agência Interfax.Ivanov também expressou preocupação com os relatos de que os Estados Unidos planejam desenvolver ogivas convencionais (não-nucleares) para mísseis balísticos intercontinentais, assim como os relatos de ogivas de alta penetração, aparentemente uma referencia à armas nucleares táticas."Tudo isso não fortalece a estabilidade global", disse o ministro russo.Putin advertiu sobre o uso de mísseis balísticos intercontinentais para transporte de ogivas não-nucleares durante seu discurso à nação na quarta-feira, dizendo que o lançamento de tais mísseis pode provocar uma resposta inapropriada de outras potências nucleares Em fevereiro o Pentágono anunciou que irá converter alguns mísseis Trident, lançados por submarinos, para transportarem ogivas convencionais ao invés de ogivas nucleares para permitir que os EUA respondam adequadamente à uma gama maior de ameaças globais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.